Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio BAC

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Galeria de Autores & Leitores

Caro leitor,

Este é um trabalho já aprovado pelo público!

Sinta-se à vontade para, depois de lê-lo, deixar seus comentários.

Bons Textos!

> Ler outro poema <   < Ler contos > < Ler crônicas >

COISAS QUE EU NUNCA VI...

por Cacal


					    
Não passar água em peneira Ovo já nascer cozido Um sussuro fazer eco Um corisco derretido Aperto de mão dar calo Um pé-de-vento espremido Criação de tatuíra Canário desafinado Uma rocha dar cupim Um silêncio perfumado Banguela com rapadura Jacaré com resfriado Um pingüim sair voando Horizonte logo ali Candiru preso em tarrafa Galope de sucuri Aranha fugir da mosca são coisas que eu nunca vi Purê de batata crua Rico jantar passarada Uma chama pelo avesso Onça morta à chinelada Um pingo pela metade A chuva cair salgada Milho já nascer maduro Um pato roendo osso Torresmo feito de gelo A cereja ter caroço Goteira apagar incêndio Avestruz sem o pescoço Uma águia com vertigem Ferradura em jabuti Cafuné em porco-espinho Um rastro de juriti Macaxeira dar em galho São coisas que eu nunca vi Solteira ficar viúva Um novelo sem o fio O sol encobrir a lua Vela acesa sem pavio Uma flauta sem ter furo Uva nascer em abril Um anel com diamante trocado por ninharia Pescador soltar o peixe pra mentir na pescaria Uma boiada na rua subindo uma escadaria Uma carroça passando puxada por um siri Cavalo comer capim temperado em tucupi Minhoca peitando galo são coisas que eu nunca vi Urtiga ser esfregada pra curar uma coceira Um elefante ficar preso numa ratoeira A correnteza do rio subir uma cachoeira Guri enjeitar goiaba e comer o tapuru A preguiça dar carreira numa onça-canguçu Um chapéu fino enfeitado com a pena do urubu Uma brisa envergar o tronco do buriti Uma isca de salmão pra pescar um lambari Cinco dedos num dedal são coisas que eu nunca vi
Copyright Cacal © 2006
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 2683 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para Cacal.

Comentários dos leitores

Simplesmente inefável. É bom saber que existem outros observadores do cotidiano.

Postado por Pastrana em 08-06-2009

Cacal, Não era muito "chegada" em poesias. Topei com esta meio sem querer e os poetas ganharam uma leitora.

Postado por Elza em 06-09-2008

Coisas do nosso cotidiano que estão alí, mas nem sempre nos damos conta. Parabéns pelo poema.

Postado por babi em 18-09-2007

Poema muito engraçado e bem escrito.

Postado por Marizé em 28-05-2007

há tanta coisa que também nunca vi, e outras que já vi, mas nunca pensei que existissem, são as surpresas da vida

Postado por Fernando Ramos em 16-01-2007

O poema está muito engraçado! Grande imaginação!!!

Postado por Niafna em 18-10-2006

esta um pouco comprido mas nao existe limetes para a escrita esta razoavel

Postado por coralina em 27-09-2006

inspirador seu poema, como vc amo a poesia abraços, Eda silva

Postado por eda silva em 20-09-2006

Eu também nunca vi! Mas a idéia de fazer cafuné em porco espinho é muito boa.

Postado por Marcelo Torca em 12-09-2006

Muito criativa e interessante. Parabéns, Cacal!

Postado por Silvino em 03-09-2006

Cacal, eu também nunca vi. Parabéns! Seu poema é muito bom e inteligente. Anna célia

Postado por Annacelia em 01-09-2006

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.


> Ler outro poema <   < Ler contos > < Ler crônicas >

Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.