Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio KD Inovações Tecnológicas

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Galeria de Autores & Leitores

Caro leitor,

Este é um trabalho já aprovado pelo público!

Sinta-se à vontade para, depois de lê-lo, deixar seus comentários.

Bons Textos!

> Ler outro conto <   < Ler poemas > < Ler crônicas >

Net! Um Bem. Um Mal II

por limaodoce


					    
Um Diário Como Testemunha Nove milhões de dólares. Saldo devedor: Trinta mil reais. Vinte e três de janeiro de dois mil e seis. Não sei o que acontece agora. A mente está distante e não há nada para se fazer. Meu sócio me abandonou coagindo-me delicadamente a preencher doze mil reais em cheques totalmente sem fundos, há dois meses atrás. Acabo de chegar do litoral, onde passei vinte e cinco dias maravilhosamente bem. Final de janeiro, contas atrasadas, aluguel, água, luz, telefone... e não tenho a mínima idéia de como ganhar dinheiro neste momento. Meu ex sócio é meu fiador e está me pressionando para desocupar o imóvel, sendo que meu contrato vence daqui a quatorze meses. É muito triste suportar humilhações quando se trata de pessoas que se acham poderosas e no momento a única cousa que tenho certeza é que meus nervos estão aflorando a cada instante. Há algo estranho no meu computador. Percebo que não está como deixei. Parece-me que as fotos não estão na mesma pasta e também está muito lento. O teclado está com uns sinais de sujeira, sendo que limpei muito bem antes da viajem a São Lourenço. Estou incomodada com minha alergia, com a pele muito queimada de sol. É horrível tomar o sol de janeiro, ainda mais com o corpo molhado de água salgada. Vou fazer uma pausa para um cigarro e telefonar para meu assistente. Preciso que ele me entregue a chave da casa que deixei em seu poder. Vinte e três de janeiro, vinte horas e dez minutos, horário GTM. Que absurdo! Três ligações para meu funcionário e sua mãe me atende falando não saber onde seu filho está. Não sabe da minha chave, não me cobrou o dinheiro que devo a seu filho, e falou comigo num tom estranho e muito suspeito. Preciso relaxar. Vou abrir o Messenger e teclar com alguém. Talvez uma conversa com amigos possa me ajudar tranqüilizando meus nervos. - Boa noite! Como vai? - Olá amiga! Tudo bem? -? Uma gostosura! Como sempre! - Que foi que você falou? Você bebeu? -? Somente umas biritas! Eu não! Não fui eu que escrevi esta frase maluca. - Desconfio que o sol lhe faça mal. Você precisa descansar minha amiga. - Colega presta atenção! Eu não estou escrevendo o que você lê em sua tela, não sei o que está acontecendo. Acho que estão invadindo meu espaço. - Hei! Você aí do outro lado. Pode me dizer o que está acontecendo? Porque invadiu meu MSN? - Minha amiga... Acho melhor eu desligar. Você não está bem? - Não estou mesmo! Estou enchendo a cara e hoje vou dançar nua na NET para todos. (Meu Deus! Eu não estou escrevendo estas maluquices). - Por favor! Quem está fazendo isso? - Uma pessoa que você nem imagina! Sorrisos. Vinte e duas horas e quinze minutos. Vou desligar meu Messenger e trocar minha senha. Eu já ouvi falar de invasão de senha, mas nunca pensei que poderia me acontecer isto. Quem será que teve esta ousadia! Bem que desconfiei quando liguei meu computador. Estava tudo fora de lugar. Agora acabei de passar vergonha com um amigo. . Pronto! Trabalho feito! Agora com uma senha de alta segurança. Estou abrindo a boca. Vou descansar para acordar amanhã bem cedo. Há muito para se fazer, embora eu ainda não saiba como. Vinte e cinco de janeiro, oito horas e vinte minutos. Hoje o dia amanheceu nublado. Meu neto mora comigo e eu gosto muito dele. Ele só tem treze anos e é um garoto muito esperto. Parece uma lingüiça pendurada, igual àquelas que minha nona pendurava no cabo de vassoura, lá na despensa da fazenda. Meu neto é magro, mas come feito um leão. Eu fico apreciando ele comer, acho que todas as crianças deveriam comer muito. Ele joga futebol na escola e também vive no campinho aqui perto da casa. Neste momento está dormindo. Enquanto eu não preparo o café e chamo-o umas trinta vezes, ele não se levanta para buscar o pão. Depois que ele acorda faz tudo rapidinho, até mesmo sem pedir que o faça. Preparei o café e já tomei três xícaras. Agora vou ligar meu computador, ler e-mails, apagar e-mails indesejáveis e tentar digitar alguns textos para o trabalho com a comunidade. Hoje à noite tenho vinte e dois jovens esperando por novidades. Trabalho na área de conscientização ambiental através das artes cênicas, totalmente sem apoio do governo municipal e outros. É muito difícil a vida de um voluntário. Nem mesmo a água que bebemos consegue encontrar alguém que nos ofereça de graça. O bom desta história, é que tudo acaba sendo compensador, por causa do crescimento de pessoas bem informadas e satisfeitas com o nosso trabalho. Nove horas e vinte e cinco minutos. Que horror! Será que perdi o juízo de vez ou estou de frente com um fantasma? Um e-mail na minha caixa postal falando sobre nove milhões de dólares? Vamos ver o que temos aqui... um parente meu com sessenta e dois anos de idade morreu em um acidente de avião e com ele estavam mulher e filhos? Data do acidente... vinte cinco de dezembro de dois mil e três. Local... Cotonou África. Estranho! Não reconheço este nome entre meus parentes. Desconfio ser um trote ou alguém querendo extorquir dinheiro. Também pode ser alguém querendo se vingar... mas de que? Vou responder fingindo que acreditei em cada palavra e vamos ver o que acontece. Enquanto isso trabalho um pouco. Escrever contos e poesias. Não me traz dinheiro, todavia, acho que estou em alta agora. Tentarei criar um bom texto para a próxima Antologia. Quem sabe um dia eu consiga publicar meus manuscritos que estão guardados. As páginas estão amareladas e algumas até roídas pelas traças. Espero que minha memória não me falte quando eu conseguir apoio para divulgá-los. Para quem esperou mais de vinte anos, não custa nada esperar mais vinte. Vinte e seis de janeiro, dez horas em ponto. Hoje eu acordei tarde e sem vontade para fazer qualquer cousa. Vou ler e-mails e mais nada. Nossa! Outro e-mail do suposto advogado que mora na África. Ele parece estar convencido de que realmente tem nove milhões de dólares para me dar, mas ele me pede quarenta por cento para fazer a transação. Pensando bem, não custa nada lhe dar essa quantia, eu não tenho mais nada para perder. Embora eu ache tudo um absurdo e muito maluco, vou dar corda para ver onde isto vai parar. Dois de fevereiro, onze horas e quinze minutos. Esta semana não aconteceu nada diferente, exceto meu fiador enchendo minha paciência. Ele quer que eu entregue o imóvel. Está me pressionando, ameaçando de despejo. Eu não devo três alugueis. E depois tenho minhas razões por estar em atraso. Ele sujou minha conta bancária, o nome da minha empresa, e agora quer me jogar na rua? Vou entrar nesta briga e ver até onde consigo chegar. Pode ser que eu desista. Ou ele ganhe a causa. Aliás, a causa ele pode ganhar, mas receber será impossível. Não vejo possibilidades de ganhos extras nos próximos dois anos, a não ser os supostos nove milhões de dólares. Mais e-mails em minha caixa postal. Parece-me tão real... Agora ele me pede para entrar em contato com o banco da África. Vou fazer o que ele me pede. Uma cousa tenho certeza: Isto vai dar uma bela história. Mais uma para arquivar, talvez. Eu não estou pensando em dólares agora, e sim num bom prato de arroz com feijão. Há tempo não degusto uma comida feita por minhas mãos. Minha filha prepara as refeições todos os dias, por causa das crianças que vão para escola. Eu aproveito e filo a bóia. Onze de fevereiro, nove horas. Hoje é meu aniversário. Estou sozinha em casa. Minha filha foi visitar o pai e levou meu neto com ela. Minha geladeira está praticamente vazia e meu bolso também. Eu não me incomodo muito com esta cousa de dinheiro. Qualquer tipo de comida me agrada. Vou passar o dia em jejum, assim emagreço um pouco e convivo mais com o problema da fome. Vou responder aqueles e-mails malucos que a cada dia chegam mais complicados e depois vou dormir. Hoje é sábado e na próxima semana tenho que resolver se vou sair desta casa ou comprar uma boa briga com meu fiador. Dezoito de fevereiro, nove horas, dez minutos. Esta noite sonhei com uma enorme ponte caindo sobre minha cabeça. Não me lembro ter caído, mas... reconheço sentir medo. Estou abrindo novo e-mail do suposto advogado. Agora ele me pede para enviar dinheiro. Demorou. É evidente que jamais enviarei dinheiro para honorários. Não tenho um centavo, e mesmo que tivesse não enviaria. Vou dizer a ele que não mando dinheiro algum. Meu fiador agora está invadindo minha privacidade. Minha filha contou-me que ele esteve aqui um dia desses, quando eu não estava. Comentou também que ele falou sobre algumas cousas que não deveria dizer jamais. Eu posso processar ele por isso, porem, vai afrouxar o laço. Pretendo afogá-lo mais tarde. Tenho outras cousas para ver. Resolvi que irei vender todos os meus pertences para uma loja de moveis usados. Cansei-me de morar nesta casa e das pessoas que estão ao meu redor. Vou viajar por um tempo e quando voltar resolverei o que fazer com a minha vida. Eu sei que a vida não se define, todavia, tenho sonhos que acredito não ser impossíveis realizá-los. Sexta feira, 28 de fevereiro, dezessete horas. Pronto! Agora estou livre das chantagens do meu fiador e de outras cousas que estavam perturbando meu espírito. Vou passar uns dias na casa de minha mãe e depois viajar por uns dois meses. Três de março, dezoito horas. Acabo de instalar meu computador. Há muitos e-mails. Entre eles, um do advogado estrangeiro. Ele pede para eu enviar o dinheiro para ele. Vou retornar o e-mail pedindo o telefone e uma conta bancária. Se ele mandar, eu o pego. Mas acho difícil. Pode ser um bandido internacional ou um malandro bem esperto, educado para extorquir dinheiro de idiotas e ignorantes. Penso em outra possibilidade, agora não vou revelar, ainda é cedo para tirar conclusões. Qualquer precipitação vai estragar meus planos. Tenho que continuar agindo como se eu fosse uma pessoa sem informação, idiota ao ponto de acreditar em uma herança de nove milhões de dólares. Talvez seja uma brincadeira de mau gosto para testar meus neurônios. Estou preparando um dossiê sobre o acidente aéreo. Ele foi real. Porem descobri que a lista de passageiros daquele vôo, desapareceu na companhia aérea. O avião estava com sobre-carga, com muitos passageiros a mais do que pedia o regulamento. A caixa preta foi encontrada e até o presente momento não foi revelada a causa do acidente. Três pessoas que estavam no vôo e sobreviveram, enviei e-mails e não mandaram respostas. Procurei o nome do meu suposto parente e não consegui encontrar em lugar nenhum. Meu ex fiador e sócio, agora está perturbando minha mãe. Eu não vou pagar minha divida com a imobiliária. Meus prejuízos por conta da minha desistência pelo imóvel foram maiores que eu imaginava. Agora tenho que pagar também a multa por ter desocupado antes do vencimento do contrato. Não quero pensar mais neste assunto. Meu ex fiador que pague. Ele persistiu na minha decisão de entregar a casa. Quinze de março, nove horas, vinte e cinco minutos. Minha viagem foi ótima. Visitei meus tios que há muito tempo não via. Estou lendo outros e-mails do tal estrangeiro. Vou enviar um pedindo-lhe para que mande o atestado de óbito e um documento do banco onde meu suposto primo fez o investimento. Passei muitos dias fora de casa e noto que meu computador foi invadido novamente. Eu tinha umas fotos da minha nona e de outros parentes. Agora não as vejo. Parece-me que alguém está entrando no meu computador. No Messenger não entraram mais, embora às vezes encontro minha caixa de e-mail vazia. Alguns amigos reclamam por eu não responder aos seus e-mails. Realmente nem todos tenho tomado conhecimento. Dezoito de março, treze horas e cinco minutos. Acabo de abrir mais e-mails do estrangeiro. Estou surpresa! Aqui tenho um atestado de óbito e documentos do banco. Parecem reais. Eu não acredito. Estou pensando em falar com a policia. Vou viajar amanhã e procurarei um DP em outra cidade onde ninguém me conhece. Acho melhor não alarmar este caso. Tenho filhos e netos. Se for uma quadrilha de bandidos, eles correm o risco de seqüestro. Estou sem inspiração para criar novos textos. Está vencendo o prazo para enviar trabalhos para a editora e ainda não terminei os meus. Dezenove de março, treze horas, trinta minutos. Estou em uma delegacia longe de casa. A delegada me informou que estes e-mails são criminosos. Porem, a policia não pode fazer nada. Não é considerado crime a troca de e-mails. Não em nosso país. Ela nem mesmo quer documentar o caso para assegurar minha inocência, caso venha surgir algum problema sério mais tarde. Penso eu estarem me envolvendo numa transação perigosa. As características causam desconfiança. Posso estar envolvida inocentemente com o tráfico de drogas ou de crianças. Talvez estejam me usando como isca ou querendo alguém para incriminar, caso sejam apanhados de surpresa. Não achei certo a delegada se desobrigar de um BO. Se algo me acontecer ela vai negar que eu a procurei. Voltarei para casa e tentarei resolver sozinha. Vinte e dois de março, quatorze horas, dez minutos. Acabo de enviar um e-mail ao estrangeiro. Estou simulando um acidente. Vamos ver o que ele fala sobre o assunto. Ele pensa que estou acamada. Enquanto isso ganho tempo para tentar descobrir mais sobre ele e sobre o acidente aéreo. Estou bancando a detetive do meu próprio caso. Não sei se dará certo. Afinal, não é minha área. Bem, sou atriz de teatro. Tudo o que posso fazer no momento é brincar de gato e rato. Dois de abril, onze horas, quinze segundos. Não recebo e-mail do estrangeiro desde que simulei o tal acidente. Meu ex fiador também não mais me incomodou. Ele deve ter pagado minhas dividas para com a imobiliária. Estou digitando outro e-mail para o estrangeiro. Falo que já me recuperei e que podemos continuar com as negociações. Recebi resposta em duas horas. Ele fala sobre uma terceira pessoa que o ajudou na liberação do dinheiro e que eu não soube me relacionar com o assunto. Ele me pede para que eu entre em contato com outra pessoa de sua confiança e envie os dados da minha conta bancária e meu telefone. Ele parece estar seguro do que faz e falou em fazer uma doação de oitocentos mil dólares, através da minha conta bancária. Estou mandando um e-mail intimando-o a comparecer pessoalmente no meu país, já que ele está com os bolsos extravasando de dólares. Vinte e um de abril, dez horas, dois minutos. Esta semana gastei meu tempo digitando texto e raciocinando sobre todos os acontecimentos nos últimos meses. Desde que voltei da minha viajem ao litoral, tenho passado por sérios problemas, tentando solucionar um enigma. Estou abrindo novamente minha caixa postal e agora vamos ver a resposta do suposto milionário. Espantoso! Ele escreveu sobre nos conhecermos. Quer que eu envie fotos minhas e me parece ansioso sobre o suposto encontro. Mandou um numero de telefone para ver se eu me atrevo ligar. É evidente que ele quer descobrir meu endereço através do meu telefone. Para ele eu não passo de uma garota ingênua, ou uma mulher burra, ignorante ao ponto de enviar meu telefone e minhas fotos. Talvez ele tenha meu endereço e algo mais. No final ele mandou um arquivo. Vou abri-lo. Nossa! Uma foto excitante! Não sei ao certo, mas se contar os pacotes, vejo agora mais ou menos os nove milhões de dólares fotografados. Um estimulante para que eu me entregue de vez. Quem sabe ele não queira mandar um carregamento de drogas em meu endereço e junto à foto das minhas belas pernas. Ficará mais fácil para ele achar um culpado, caso a policia barre o carregamento. Ou talvez, ele queira complicar a minha vida para sempre, como uma espécie de vingança. A partir de agora tudo pode acontecer. Já tenho muitas dúvidas sobre quem manda estes e-mails. Existem muitas formas de receber uma divida. Depende de como o credor exige que seja feito o pagamento. Se um homem é procurador de um milionário e o investidor morre, é muito natural que ele se torne uma pessoa ambiciosa. O estranho deste caso é o fato desse procurador não agir por meios legais. Por outro lado, é hora do gato dar o bote antes que o rato se esconda não sei onde ou resolva roubar o meu pescoço durante a noite. Eu estou falida, mas ainda posso receber uns trocos por conta desta história. Eu andei me perguntando se o tal homem procurador do suposto falecido e suposto meu parente, não seria um cavaleiro apaixonado querendo dar o golpe do baú numa artista. Na mente dele pode estar ocorrendo alucinações. Mal sabe ele que neste país, artista amador não ganha nem para comprar lanche no intervalo dos espetáculos. Existe outra hipótese. Pode ser que o tal, meu parente falecido, esteja gozando da mais perfeita saúde e com um seguro milionário nas mãos. Cede-me uma herança milionária, e coagida me faz retirar o dinheiro. Depois é só apontar uma arma na minha cabeça e dar um fim na testemunha. Puxa! Como é difícil ser detetive! Acho que não dei sorte com nenhuma profissão que escolhi embora como detetive não seja uma escolha. Desconfio estar na hora de entregar o caso a policia e exigir que ela aceite. Pensando melhor, acho um desaforo para comigo. Eu monto um dossiê, gasto meu tempo investigando passo a passo, e na hora de prender o culpado a policia entra em cena e ganha todo o prestigio? Garanto que a policia não faria em um ano tudo o que eu fiz em três meses. Afinal, o que estou fazendo? Eu ainda não descobri nada! Eu tenho os fatos relatados no papel, mas o ator principal ainda é um enigma. Talvez o fantasma da internet. Não consigo entender o porquê ter sido eu a escolhida para esta atuação. Detesto quando sou obrigada interpretar a vitima. Nunca deixam que eu decida sobre o castigo que receberá o vilão. Neste caso é necessário conhecer um fantasma! Tarefa difícil... Hoje me cansei por tantas análises e investigações. Vou descansar e pensar se entregarei ou não este caso para a policia federal. Vinte nove de abril. Dez horas, cinqüenta e dois minutos. Hoje é sábado e preciso terminar um texto. Nada especial neste dia. Continuo sem dinheiro, desempregada, sem companhia. Sinto-me presa, vendo o sol nascer quadrado todos os dias. Alguém está apertando a campainha. Quem será agora! Enquanto atendo a porta, fumo um cigarro. Vinte e nove de abril, dezoito horas, cinqüenta e dois minutos, dois mil e nove. Hoje o dia foi lindo! Não posso compreender tudo o que aconteceu em vinte e nove de abril, há três anos. Eu tinha deixado meu computador ligado quando fui atender a porta. Lembro-me como se fosse hoje, aqueles policiais me algemando e em seguida me jogando num camburão. Eu nunca tinha passado por tantas humilhações. Tudo era novo. Até mesmo minhas idéias sobre como criar algo fictício através de uma realidade. Talvez um diário me fortalecesse. Todavia, nada me estimulava naquela prisão. Eu não conseguia entender o porquê tinham feito aquilo comigo. Eu estava sendo acusada por tráfico de drogas, quando em verdade nem elas eu conhecia direito. Os homens tinham tudo. Meu endereço, xérox dos meus documentos, meu telefone, fotos montadas... e somente eu não sabia como tudo aquilo fora parar nas mãos da Justiça. Eu nunca enviei nada através de e-mails, nem por outras vias... O fato é que alguém me prejudicou, premeditando tudo. Eu estava sendo julgada por um crime não cometido e tudo que havia de testemunha de ambas as partes, era uma denúncia anônima com xérox de documentos verdadeiros e montagem de fotos. Quando tentei usar os e-mails que eu recebia em meu favor, fui ignorada pela segunda vez. A polícia não acreditava. Diziam não ter provas suficientes para incriminá-los. Seria um desafio muito grande para a policia federal chegar até aquelas pessoas, então era mais fácil punir alguém inocente, como sempre acontece. Eu imaginava sobre alguém que por certo estava feliz com os acontecimentos, mas nada podia fazer. Seria mais um crime perante a lei. Embora eu estivesse certa sobre meus pensamentos, eles me acusariam de falso testemunho e me jogariam um processo por danos morais. Minha pena aumentaria e nunca mais eu sairia daquele inferno. Não dava mais para brincar de gato e rato. No dia da visita, eu ficava num cantinho tomando sol, quando não chovia, e dificilmente eu recebia uma visita. Quando alguém aparecia, era para me condenar, chamar atenção ou aconselhar-me. Esta era a parte mais difícil para enfrentar. Minha vida estava ficando para trás. Meus projetos, meus sonhos, enfim, todas as cousas que me deixavam feliz. Eu ficava olhando para aquelas mulheres, prisioneiras de suas próprias tolices, outras por suas vaidades, outras por puro prazer do crime. Minha pele estava feia e meus cabelos maltratados. Minha visão estava turva e meus pensamentos bons se distanciavam a cada momento. Às vezes eu pensava em vingança, supondo que o bandido fosse um conhecido. Minha vida não tinha mais sentido algum. Minha consciência me acusava por não ter tentado apresentar mais uma queixa na policia federal. Era tarde para tanto e os longos dias passavam por mim desafiando minha auto-confiança. Passados dois anos e meio, minha irmã fora me visitar e me lembrou do dia em que eu fui parar na prisão. Ela chegou a casa e vendo meu computador ligado, salvou o texto que estava na tela. Uns dias depois, ela foi salvar umas fotos no disquete e por engano, salvou o meu texto. Jamais ela imaginara o conteúdo existente naquele texto. Não tínhamos costume de ler os escritos, uma da outra, mas ela me contou naquele dia, ter guardado aquele trabalho para mim. Naquele momento não pensei que havia algo no texto que pudesse me salvar da acusação. Meu julgamento estava marcado para o próximo mês. Meus advogados não tinham mais nada que pudesse provar minha inocência, exceto algo novo que viesse surgir. Naquele dia notei que minha irmã foi embora um tanto triste. Eu pude sentir sua angústia, pois transparecia em seus olhos plangentes. O dia do julgamento chegou como um furacão. Eu não acreditava mais ser libertada. Não havia provas suficientes, somente um milagre poderia libertar-me da prisão. As cenas ficaram nítidas em minha mente: Minha irmã foi testemunhar a meu favor e o juiz lhe perguntou. Jura falar somente a verdade em nome de Deus? Ela olhou para mim antes de responder e me pediu perdão. Eu não sabia o porquê ela estava me pedindo perdão, então se sentou na cadeira e meu advogado perguntou-lhe. Senhorita. Pode responder se é de seu conhecimento os e-mails que sua irmã recebia? Doeu em meu coração quando ela fora obrigada dizer a verdade. Realmente ninguém sabia nada sobre aqueles e-mails. E outra pergunta lhe fora feita: - Senhorita, não acha estranho o fato de sua irmã ter omitido os e-mails, já que se tratava de uma suposta herança e que por sua vez, era um direito de todos os irmãos? Mais uma vez minha irmã teve que responder contra mim. Eu sentia que ela estava mais aprisionada do que eu. Não podia mentir e nem me defender. Eu estava esperando pelo menos uma pergunta a meu favor, então aconteceu. O advogado perguntou a ela. Senhorita, o que tem a dizer em favor da sua irmã? Minha irmã levantou-se, olhou para mim e respondeu. Tenho um diário dela, cujo texto eu salvei no computador no dia em que ela foi apanhada de surpresa. Pode averiguar em seu computador. O juiz entrou em recesso por duas horas, enquanto fora feito a investigação. Não havia nada em meus arquivos. O texto tinha desaparecido e com ele todas as pastas dos meus documentos. Naquele dia, meu computador estava aberto em algum lugar do mundo. Eu só não sabia onde. Minha irmã chorava. Ela agora seria suspeita. Para a policia, ela teria mentido, apagado os textos, já que nada tinha encontrado em seu computador. Nem mesmo minha irmã se lembrava do disquete, cujo texto foi salvo por engano. Voltei para a cela sem nenhuma esperança. Meu advogado tentou enganar a justiça simulando uma doença mental. Fui levada ao médico e quando chegou minha vez de ser atendida, eu comecei a babar e andar meio torta. Ainda eu podia simular. Interpretei direitinho o papel que me colocaram à frente. O doutor pediu minha transferência para um hospital psiquiátrico, onde eu era obrigada tomar comprimidos sem necessidade. Quando dava, eu fingia beber e depois cuspia no vaso sanitário. Eu interpretava aos poucos, a melhora do meu personagem, para não tomar muitos remédios. Enquanto isso, minha irmã trabalhava e me ajudava com minhas despesas no hospital. Meu advogado de defesa tinha marcado outra audiência e logo após agendar, fora me visitar. Conversamos muito, até que ele decidiu modificar a defesa. Daquela vez, um tanto mais complicada. Ele pedia minha soltura afirmando sobre minha suposta doença. Tentaria fazer o juiz acreditar que há tempo eu estava sofrendo surtos psicóticos e provavelmente a doença teria me levado à loucura, ao ponto de agir errado sem premeditação. Eu confessaria o crime, e conseguiria uma condicional para continuar com o tratamento. Como eu era ré primaria, ficaria mais fácil convencer os jurados. E assim sucedeu-se. Todavia, na hora do julgamento, minha irmã se lembrou do disquete. Ainda faltavam alguns segundos quando ela entrou correndo e sentou-se na cadeira da testemunha. O advogado perguntou. Senhorita! Não há nada que possa lembrar em defesa de sua irmã? Ela respondeu chorando. Não! Eu não me lembro de nada! Porem tem aqui o disquete com o texto salvo. O texto que ela estava digitando quando a policia a levou de surpresa. E o promotor perguntou: Mas o que há neste disquete que possa salvar a sua irmã? Minha irmã respondeu. Eu não sei o que há no disquete. Ela queria ganhar tempo e conseguira. A audiência foi prorrogada por mais alguns dias. O disquete fora aberto e para surpresa de todos, estava ali um diário que testemunhava todas as minhas passagens. O meu diário, salvo por engano por minha irmã. No dia do julgamento final, fui libertada por não haver provas suficientes para manter-me na prisão. O júri entendeu que poderia ter-se enganado com os fatos e não quis assumir as responsabilidades. Hoje continuo na internet, trabalhando e procurando um fantasma que me humilhou, roubou três anos da minha vida e deixou o restante para eu viver na dúvida. Eu poderia trocar meu computador, mas não acho justo. Esta máquina sobreviverá até caçar o fantasma. Acho que ele não está longe. Peço licença agora. Tenho que colocar em ordem minha vida. Minhas dividas dobraram nos últimos três anos, em meu país. Nove milhões de dólares estão em algum lugar no mundo. Eu tenho certeza de que cheguei a colocar os olhos neles. Apenas não me lembro onde... Por Branca Tirollo
Copyright limaodoce © 2006
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 1254 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para limaodoce.

Comentários dos leitores

Um tema muito atual.Faltou rever o texto para torná-lo mais leve..

Postado por Marcus em 17-03-2011

Alô, Branca! É uma história e tanto! Contudo, faltou uma revisão final para torná-la mais atraente. Bons Textos!

Postado por Silvino em 07-07-2007

***Sem comentarios amigo, seu texto e otimo... amei... beijossssss

Postado por nadirvilela em 13-11-2006

Ótimo texto. Prendeu a minha atenção até o fim.

Postado por Annacelia em 10-11-2006

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.


> Ler outro conto <   < Ler poemas > < Ler crônicas >

Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.