Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio Silvino Bastos

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de Marizé >


A LENDAS DAS LARANJEIRAS



					    
Conta a tradição que outrora existiram por todo o Algarve muitas mouras encantadas, por ser o “encantamento”, a única forma de as poder libertar da maldade e crueldades humanas. Desde os tempos mais remotos a moirama habitava a Península, deixando uma presença, nas crenças, superstições e costumes que ainda hoje é visível a olhos vistos. Perto do Cerro da Cabeça, existia um palácio subterrâneo, cuja maravilha é impossível descrever. Quando um dia um pastor, corria atrás duma ovelha que se afastara do rebanho, veio esta cair por um orifício, através do qual, ele desceu na ânsia de procurar a ovelhinha. Enorme espanto o seu, ao ver que junto dela, estavam três formosas princesas mouras que a acariciavam com ternura. Facilmente pode verificar que se tratava dum palácio, maravilhoso, cheio de lagos de água, onde as princesas se banhavam mostrando a nudez dos seus corpos... Ali era um mundo secreto onde ninguém podia entrar... As princesas ao verem o pastor, ficaram atónitas perante a sua presença... O pastor muito atrapalhado murmurou: - Peço desculpa, mas foi apenas um acidente! A ovelha é minha, eu sou pastor, guardo os rebanhos, sou humilde, não vos vim fazer mal! Nós somos três irmãs gémeas Mara, Mariam e Marisa, filhas do Rei das Grutas. Foge daqui antes que sejas visto por ele! Mas deixa aqui a tua ovelhinha para nós! Podes vir vê-la, apenas num dia da semana, mas tem cuidado! Vem ao escurecer do dia! O rapaz resignou-se em oferecer a ovelha! As lindas mouras eram autênticas pérolas de Chenchir! Nos jardins subterrâneos do Palácio das Grutas, haviam extensos laranjais que eram símbolo de pureza e virgindade. As mouras viviam escondidas nas grutas dos rochedos. Receavam os invasores, que com a sua violência sequestravam as donzelas com intuito maquiavélicos de as possuir pela força. Como é natural o rei das grutas vivia com receio. Temendo a invasão que dominava o sul do território. Quando o pastor chegou com uma ovelha a menos, logo o maioral, quis saber o que acontecera.. - Onde perdeste a ovelha, rapaz? - Sei lá! Nunca mais a dei apanhada! Sumiu! Embora não dissimulando o seu mau humor, por fim disse: - Deixa estar que havemos de ver isso! Não desistindo da sua intenção, um belo dia seguiu o rapaz e quando o viu sumir pela terra abaixo... exclamou: - Aqui há gato! Tenho de descobrir! O pastor visitava secretamente as raparigas, quando podia. Desse convívio ía ganhando forma a sua afeição especial por uma delas. Gostava da Mara, de todas a mais bondosa. Certo dia, reparou que elas iam guardando as flores secas de laranjeira, ao mesmo tempo que misturavam com camomila, tília, S. Roberto, para fazerem poções, com doses apropriadas, verdadeiros segredos dum sono cor de rosa. Esta preparação, cujo segredo era da competência do velho rei, conhecedor da farmacopeia, era um chá que era servido pelas lindas escravas, em baixelas de ouro, no final dos banquetes ou orgias, quando se pretendia que o adversário rolasse pelos tapetes, como nos campos de batalha. Quantas vezes os mouros atraíam ao local, formulando um convite amigável, muito bem forjado, duma opípara refeição acompanhada do famoso elixir - poção maravilhosa que os fazia adormecer e que os levara a ganhar castos e castelos. Por outro lado, salvavam a honra ameaçada das suas donzelas. Tantas vezes foi o pastor visitar as raparigas, que começou um ídilio amoroso com a Mara. Estava na posse de todos os segredos dos mouros. O patrão via o ar de felicidade que o pastor aparentava, por outro lado observava que ele não se incomodara muito, com o desaparecimento da ovelha, quando ele amava tanto o seu rebanho. - Não pode ser! Por fim, resolveu seguir-lhe o rasto e combinou com uns amigos para que o seguissem. Quando ele desceu às cavernas, acompanhado dum grupo de homens, meteu-se pela abertura das grutas e menos ágil, veio cair, soltando um grito tão estridente que entoou em todo o palácio subterrâneo. Perante tal burburinho, desperta o rei mouro e toda a moirama surge pelos cantos, desse mundo misterioso de alvura do lindo Palácio das Grutas, rico de estalactites e estalagmites, verdadeiros rendilhados de estátuas naturais de fino recorte, um mundo colossal de alabastros e mármores. - Minhas filhas, minhas filhas, a vossa honra... a flor de laranjeira não destes a beber o elixir... Traístes vosso pai permitindo a entrada de intrusos nestas grutas. - Vou espalhar as folhas por esta região de cada um sairá uma nova árvore, já vós que não cuidastes da vossa reputação, que não tivestes cabeça para pensar, ficareis para sempre no fundo deste monte transformadas em cavernas, em estalactites. Assim as laranjeiras cresceram à superfície e as mouras com saudades da neve não são mais que as brancas estátuas escondidas do velho cerro para todo o sempre. Mas no auge do distúrbio, perante tal confusão, o pastor conseguiu fugir com a Mara para o cerro de S. Miguel e mais tarde, resolveram casar para mostrar ao mundo a pureza da sua jovem, pois Mara merecia a flor da virgindade. Ela e seu pastor eram dignos e puros de sentimentos. Sem esquecer o que aprendera, ela foi a primeira noiva a usar como símbolo a flor da laranjeira. Toda vestida de branco com um lindo manto de tule, ostentava uma linda coroa de flores naturais de laranjeira. Quando ela vai ao cimo do cerro, atira o seu ramo de noiva pelo ar, desde a encosta ao vale, a terra encheu-se de lindos laranjais e uma nuvem de perfumada a flores de laranjeira, evolou por toda a atmosfera. Uma enorme nuvem branca levou os noivos em viagem nupcial.... E quando as laranjeiras floriam , o povo cantava assim: Linda flor de laranjeira Nas hortas e nos pomares Da rapariga solteira... Que pura vai aos altares. E desde então a velha aldeia e seus arredores, encheram-se de famosos laranjais e da lenda restam ainda as famosos grutas, que ainda hoje existem, um mundo de maravilhas que os deuses da terra vão esquecendo.
Copyright Marizé © 2007
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 1322 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para Marizé.

Comentários dos leitores

Ótimo conto, Marizé. Você está de parabéns. Casei-me com um terço nas mãos, feito com botões de laranjeira.

Postado por Annacelia em 17-07-2007

Muito interessante e bonito "A lenda das laranjeiras", gostaria de vê-la sendo publicada, quem sabe no livro de ANTOLOGIA desse portal. PARABÉNS! MARIZÉ

Postado por Rita em 05-07-2007

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.