Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio BAC

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Galeria de Autores & Leitores

Caro leitor,

Este é um trabalho já aprovado pelo público!

Sinta-se à vontade para, depois de lê-lo, deixar seus comentários.

Bons Textos!

> Ler outra crônica <   < Ler contos > < Ler poemas >

Uma boa dose de sorte

por Rodrigo Capella


					    
Por Rodrigo Capella* O que mais chama a atenção na sétima arte não são as imagens ou o roteiro. Mas, sim o que está por trás deles. Poucos foram, entretanto, os filmes que exploraram esta faceta e conseguiram apresentar detalhes interessantes dos chamados bastidores. Para suprir esta escassez, as editoras colocaram no mercado livros inspirados em filmes, que ganharam força, principalmente, neste século. A consolidação veio com Fahrenheit 11 de setembro – o livro oficial do filme, lançado em 2004, por Michael Moore – o polêmico cineasta e rival declarado de George Bush. Com a proposta de revelar detalhes ainda mais polêmicos sobre o atentado contra as torres gêmeas, o livro trouxe provas utilizadas durante as filmagens e apresentou também artigos, cartas e fotos. Com o sucesso da obra Fahrenheit, as estantes das livrarias foram imundadas por livros apoiados em filmes, atores e diretores, contribuindo para uma sensível melhora deste tipo de gênero literário, que pode ser notada nos lançamentos Conversas com Almodovar e Conversas com Woody Allen. Ambos, em uma primeira análise, parecem se apoiar bastante no clássico livro Hitchcock/Truffaut: Entrevistas, resultado de uma série de conversas que o diretor de “Os Pássaros” teve, na década de 50 e 60, com o também cineasta François Truffaut, de “O Homem que amava as mulheres”. Mas, essa impressão, leiga, por sinal, rapidamente se desfaz: enquanto o livro do mestre do suspense se restrigue a detalhar a trajetória com o objetivo de desfazer uma então má impressão que os americanos tinham de Hitchcock – consideravam-o mediano e comercial -, os livros de Almodovar e Woody Allen nasceram com propostas distintas. Conversas com Woody Allen, de Eric Lax, é resultado de mais de 30 anos de entrevistas, a primeira delas em 1971, e revela inquietudes, processo criativo e, principalmente, métodos de filmagens: “anoto o tempo inteiro - às vezes, quando começo a filmar no set, penso comigo mesmo: Essa cena vai ficar fantástica se eu usar música clássica, e não jazz”. Mostra também curiosidades, como tomadas preferidas de câmeras – “pessoas andando na calçada, e a câmera está na calçada oposta, paralelamente”. Mas, sobretudo, apresenta um Woody Allen que ainda teima em se auto-definir como inconsciente, mesmo tendo levado ao cinema filmes como Match Point, com fortes elementos da obra Crime e Castigo, de Dostoyevsky. Já Conversas com Almodovar é uma obra bem mais pessoal e facilmente aceita em um momento de Big Brother. O livro revela, além de detalhes de filmagens e trajetória, algumas preferências deste cineasta, como livros, filmes e até mesmo cor – “o vermelho está sempre presente nos meus filmes, não sei por quê. Mas, é possível encontrar uma explicação. A mais insólita é que na cultura chinesa o vermelho é a cor dos condenados à morte “. Mostra também um Almodovar admirador de esporte: “os esportistas têm um físico extraordinário, o físico de pessoas que sofreram, que lutaram”. E que revela, sem fazer mistério, as suas jogadoras preferidas: “nesse aspecto meu sentimento continua muito nacional, a Arantxa Sanchez é minha preferida. Mas também gosto de Monica Seles, apesar de ser uma espécie de demônio na quadra”. É, Almodovar mostra ter um razoável entendimento do tênis, esporte que norteia o filme Match Point, de Woody Allen. Teria ele, então, feito um longa-metragem mais impactante? É difícil afirmar. Fica claro, porém, que após a leitura desses dois livros, o cinema dos grandes cineastas, assim como a vida real, é feito – em alguns casos - com uma boa dose de sorte. Conversas com Almodóvar, de Frederic Strauss. Editora Zahar. Preço: R$ 44,90. Conversas com Woody Allen, de Eric Lax. Editora Cosac Naify. Preço: R$ 65,00 (*) Rodrigo Capella é escritor, poeta e palestrante. Autor de 12 livros, entre eles “Rir ou chorar”, que desvenda os bastidores do cinema brasileiro. Mais informações: www.rodrigocapella.com.br
Copyright Rodrigo Capella © 2008
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 685 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para Rodrigo Capella.

Comentários dos leitores

Brilhante! Sua crônica, Meus cumprimentos! Um abraço ao amigo.

Postado por Miguel Carlos em 19-03-2010

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.


> Ler outra crônica <   < Ler contos > < Ler poemas >

Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.