Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio Portal A&L

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de Marizé >


O ALTAR DO MENINO JESUS



					    
Algumas tradições natalícias vão extinguindo nos nossos dias. Embora alguns mais agarrados a elas procurem mantê-las, há muitos costumes que foram desaparecendo. As crianças actuais já não vivem os velhos sonhos da inocência, esses sonhos num mundo de magia por desvendar, os seus sonhos cor de rosa feitos de pequenas ilusões... elas sabem já que os bébés não vêm no “bico da cegonha” e os “pais natais” ou o “Menino Jesus”, também não descem às chaminés. As famílias mais tradicionais, principalmente nas aldeias serranas e algumas do litoral, tinham o hábito de fazer o Altar do Menino Jesus, a que alguns designam por “Presépio Tradicional do Algarve, costume de arte popular que foi bastante usual no século XIX. A minha bisavó materna que ia sempre festejar o Natal a casa de sua mãe que vivia numa aldeia distante, com ela havia aprendido a fazer o Altar do Menino Jesus – o Altar das Searinhas – tal como ela dizia. Mal começava o mês de Dezembro, era chegado o dia oito – Dia de Nossa Senhora da Conceição e já em casa havia os grãos de trigo para as searinhas. - Vamos pôr o trigo de molho nos pratinhos, a ver qual a searinha que mais cresce? – dizia entusiasmada a minha avó e continuava: - Aquela que mais crescer será aquele que receberá mais bençãos do Céu por ter cumprido os seus deveres, isto é, o Menino Jesus há-de colocar mais presentes no seu sapatinho. Era grande o entusiasmo para ver as sementes do trigo crescer nos pratinhos. Mas o altar começava desde logo a fazer-se. Lá ia a avó à velha arca buscar as lindas toalhinhas bordadas para os diversos planos de escada do altar. Qual deles o melhor bordado, feito pelas suas mãos hábeis de mulher rendeira. E as lindas rendas de bilro e de crochet na ponta dos “naperons” bordados com lindos motivos. Depois, vestia primorosamente o Menino, com um lindo vestido cheio de rendas, branco como a neve pura e colocava-o lá no cimo do altar, porque ele era o rei dos reis, dava-lhe um destaque especial. Era lindo o menino de bracinhos elevados ao céu, de olhos brilhantes e boquinha de romã – uma relíquia de imagem de família, benzida pelo bispo da região. - Avó quem fez este lindo vestido para o Menino Jesus? – perguntava ao ver aquela preciosidade rara. Não me dás para o meu boneco? - Era só o que faltava... este vestido do Menino Jesus foi a minha bisavó que me deu, é como o vestido de baptizado do teu avô, relíquias que servem apenas para ocasiões mais solenes. O vestido do Menino Jesus é só dele. - É verdade, ele também passou tanto frio, sem ter roupinhas, naquela pobre manjedoura ... - Vês como tu és compreensiva, assim é que os meninos devem ser. E o altar que fazia lembrar uma pirâmide, onde sobressaía o verde e alvura das toalhas de linho. Tudo ia ficando verdinho com as searinhas que cresciam dentro dos pratinhos. Uma decoração simples, singela, mas de tamanha beleza... e as lindas flores de papel, perfumadas com “água de cheiro da flor de laranjeira”, que lhes dava um aspecto colorido... eram cravos e rosas... daí a velha quadra: Ó Meu Menino Jesus A sua capela cheira Cheira a cravos, cheira a rosas Cheira a flor de laranjeira. E lá vinham as vizinhas ver sempre o altar da Tia Emília, que era sempre o mais bonito. Todos os charoleiros iam lá cantar, junto daquele lindo altar. Havia sempre uma porta aberta ao coração, as “filhóses de joelho”, quentinhas para dar a todos que batiam à porta, ou uma “lenguiça” com o belo pão caseiro, que ela amassava também com mestria. O altar naquela casa era imprescindível, aprendera a fazê-lo naquela aldeia serrana, onde vivia a sua mãe. Este velho costume trouxera ela para o litoral algarvio, porque havia casado com um pescador. Quando recebia algum visitante ( nesta altura era hábito também a visita dos familiares), tal como no estrangeiro que na época natalícia se deslocam à sua terra natal, vinha sempre a Tia Antónia com um presente de laranjas, e uns colares feitos com bolotas para as crianças. - Que colares são estes de “beletas”? – perguntei um dia aos vê-los. - Isto é para comerem na noite de Natal para não terem dores de dentes! Depois lá ia ela ver o famoso altar e ficava embevecida. Cantavam a oração de Natal e ensinavam-nos velhas cantigas. Era assim a adoração ao Menino Jesus feita nos lares. Igualmente pelas ruas os “charoleiros” era portadores de um pequeno andor (charola) onde levavam o Menino Jesus pelas ruas, cantando ao som de “matracas” – eram as Janeiras de porta em porta, que anos depois começaram a surgir as actuais charolas. O costume de fazer o altar decorado com as searinhas foi-se extinguindo. Há quem faça o presépio, principalmente nas igrejas e algumas instituições. Actualmente, as árvores de Natal, exuberantes de luxo são predominantes –um contraste com os velhos hábitos que tinham um sabor mais natural, de acordo com a humildade do Salvador do Mundo. Por isso, eu jamais esqueço o Altar das Searinhas da casa da minha bisavó – o mais lindo presépio tradicional do meu Algarve.
Copyright Marizé © 2008
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 1231 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para Marizé.

Comentários dos leitores

Para mim, "o que foi" é a raiz "do que é e do que será". Gosto de conhecer tradições de um mundo antigo e percebo que nem tudo se extinguiu totalmente do planeta. Pàrabéns!

Postado por lucia maria em 06-10-2012

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.