Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio Silvino Bastos

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Galeria de Autores & Leitores

Caro leitor,

Este é um trabalho já aprovado pelo público!

Sinta-se à vontade para, depois de lê-lo, deixar seus comentários.

Bons Textos!

> Ler outro conto <   < Ler poemas > < Ler crônicas >

Três Chopes e Uma Ponte Fixa

por Kinho Vaz


					    
Em determinados momentos, só cachaça. Você tenta se encontrar, tenta descobrir caminhos e não consegue nada além de dúvidas. Então, só cachaça. Um bom porre devolve o caminho do riso. O álcool tem essa ciência. Conhece os segredos da sua alma e sabe como acender a sua esperança. Duvida? Tome um porre. Você vai ver como o seu estado etílico minimiza qualquer problema. Com uma vantagem incomparável: não escolhe categoria. Trata pendengas profissionais, pessoais, amorosas, de qualquer tipo e motivação. Tenho pena de quem não bebe. Deve encarar os dias de forma triste e muito estressante. Ainda mais nesses tempos, que nos vêm repletos de aporrinhações. Imagine você ficar ruminando suas preocupações vinte e quatro horas por dia, sem nenhum momento livre para não pensar em nada? Isso é suicídio. Todo mundo precisa de um tempo sozinho, pelo menos uma vez por semana. Um instante que seja para esvaziar a mente por completo e olhar para lugar nenhum, amar ninguém, ouvir nada, torcer por time algum, se esvaziar do mundo. É correto que álcool não deve ser utilizado diariamente, o Ministério da Saúde bem adverte. Mas de vez em quando, vá lá, pode ser um santo remédio. Foi assim, trocando idéias consigo mesmo, que o nosso personagem dirigiu-se ao Beco do Sardinha. Um cruzamento no centro do Rio de Janeiro, famoso por reunir diversos bares no seu entorno, onde a sardinha frita é um bom motivo para esticar o dia e molhar a garganta. No meio desse entroncamento de ruas com calçamento de paralelepípedo, espalham-se mesas e cadeiras que vão sendo ocupadas conforme a noite vai chegando e o horário comercial termina. Por lá se vê gente de todo tipo. Ternos e bermudas dividem o sereno com a mesma condição de igualdade. O chope do local é muito bom. Para alguns, melhor que a própria sardinha. E esses aconselham duas ou três tulipas geladinhas antes do famoso petisco. Sem dizer que existem vários ambulantes circulando livremente pelo local, depositando sobre as mesas boas provas de amendoim torrado. Isso permite ao freqüentador desprovido gastar apenas com a bebida, sem ser importunado. Em resumo, o local reúne boas qualidades para quem procura um pouco de descontração. Voltando ao nosso personagem, é preciso que se façam algumas considerações para que o leitor possa entender a sua decisão de buscar refúgio nos confortos do álcool. Ele não é um homem dado a freqüentar as bebidas de forma assídua. Uma vez ou outra é possível vê-lo com um copo na mão. Dele poderia se dizer, sem errar, ser um mero bebedor social. É uma boa pessoa, de hábitos responsáveis e atitudes comedidas. Faz amigos com facilidade e sabe como cultivá-los. Tem o riso solto e um bom humor próprio das almas resignadas. É casado, pai de dois filhos e um chefe de família presente, cumpridor das suas responsabilidades. Trabalha numa casa de câmbio, onde passa os dias contando e trocando moedas de todo o mundo pela cotação paralela. Às vezes se intriga com a liberdade do dinheiro, eterno viajante de pouso incerto. Até tentou filosofar sobre o assunto, mas desistiu, antes que a enxurrada de idéias e imagens que o tema pudesse suscitar o deixasse falando sozinho, um hábito que virou motivo de troça entre os colegas do trabalho. Guarda certo medo das coisas apuradas pela mente, pois acredita que pensar demais é enxergar problemas até na felicidade. Procura manter-se no limiar do real, pautando a sua conduta pelo bom senso. Ele possui idéias pré-concebidas sobre política, futebol, religião e alguns outros temas, às quais se mantém fiel por pura teimosia. Acha besteira discutir calorosamente sobre assuntos que nunca serão alterados com a sua opinião. Talvez por achar o mundo tão errado, resolveu se esconder atrás dos seus conceitos imutáveis. Não fosse tão desprendido nas amizades, solidário e prestativo, poderia facilmente ser confundido com uma pessoa arrogante. Mas os arrogantes vestem uma capa de soberba e indiferença, que nunca se vê nesse homem, de olhar atento e coração aberto. Naquele dia, em especial, podia-se notar em seu semblante as marcas da preocupação. Estava bastante angustiado por conta de alguns compromissos financeiros a vencer. As perspectivas não eram as melhores e o martelar de dúvidas não deixavam a sua cabeça em paz. Por isso a decisão de encher uns copos para esvaziar a mente, amparada pelo discurso que deu origem a essa história e que o escoltou até uma das mesas do Beco do Sardinha. O local já estava bem povoado e ele teve algum trabalho para encontrar uma mesa anônima. Mal sentou, um dos garçons se aproximou para anotar o pedido. Queria um chope apenas, nada para comer. Pensava em passar ali um tempo sozinho, mas deveria jantar em casa com a família. A esposa nunca perdoa a sua inapetência após um dia de trabalho. Ela julga uma desfeita às horas passadas na cozinha apurando o tempero do lar. Portanto, apenas chope. Enquanto aguardava a bebida, seus olhos vagaram sem rumo pelo beco. Via toda aquela gente como coadjuvante da sua história. Não que ele fosse egoísta, já explicamos que não é. Mas é inerente ao ser humano achar que a vida só acontece por sua causa. Por isso ele pensou como reagiria alguma daquelas pessoas deparada com um problema igual ao seu. Depois inverteu o foco. Questionou-se como estaria se sentindo, caso fosse parte dos coadjuvantes e não o centro da questão. Talvez estivesse mais leve para aproveitar a alegria do ambiente. Não, decerto não estaria ali agora, visto que não precisaria aliviar a mente se nela não houvesse problemas. Certamente estaria a caminho de casa, bem compactado em um ônibus lotado de gente. Seus braços não estariam descansados naquele encosto de cadeira, mas erguidos ao alcance do estribo do coletivo, onde as suas mãos bem agarradas disputariam apoio com dezenas de outras. Essa confluência de imagens e pensamentos o levou a falar sozinho, como sempre, e o som da sua voz o deixou envergonhado. Alguém teria ouvido? Não teve tempo de olhar as mesas mais próximas, buscando algum olhar de deboche. O garçom já trazia o pedido, depositando na mesa uma bolacha de papelão e sobre ela a tulipa de chope. Ele agradeceu e se dispôs a beber. O primeiro gole é sempre mais largo e gostoso. Desce fácil, refrescante, emprestando ao bebedor uma leve sensação de liberdade. Ele já começava a provar essa propriedade da bebida, quando ouviu uma pergunta às suas costas: - Afogando as mágoas, amigo? Voltou-se e reconheceu um cliente da casa de câmbio. Um tipo falador, inteligente e dado à observações obtusas. Já se conheciam há alguns anos e a situação exigia um convite, mesmo que a companhia não estivesse em seus planos. - Sente-se comigo, companheiro. - Obrigado. O que faz no nosso Beco? - Hoje eu precisava de uma bebida. A cabeça anda muito cheia. - Problemas, problemas, problemas... Parece que eles sempre nos escolhem. - É verdade. Mas e você como anda? E a vida? - A vida vai na conta da merda, amigo. Da nossa merda de cada dia. - Alguma coisa em especial? - Já não sei se um problema é maior que o outro. Eles invadem a nossa vida, cruzam como animais no cio e multiplicam suas crias. Acho mesmo que só o tempo... - Eu entendo, o tempo... Às vezes me pego voltando nele e refazendo a minha trajetória, buscando no caminho os erros que me deram essa vida de agora. - Não adianta. Eles não estão lá. Atente-se sim, para a ação dos nossos dias. Os erros estão aqui. A vida de hoje é a verdadeira megera indomada. Aquela que quer só pra ela tudo que possamos oferecer, guardando a obrigação de retribuir nada. Nadinha. Porra nenhuma mesmo! Por mais mísero, tosco ou escatológico que seja. - Eu concordo, mas não há muito pessimismo aí? - Não é pessimismo. É realidade. Essa vida é vampira, amigo. Suga o nosso sangue bom. É na nossa brochura que ela encontra tesão. Nas nossas lágrimas que mata a sede. Em nossos sonos perdidos que ela descansa. E assim vai nos embalando: nos ônibus lotados, nas balas perdidas, nos medos calados, na puta que nos pariu. - O segredo é evitar que isso nos roube a calma. - Não tem como. Aliás, nem sei mais o que é isso. - E o seu projeto de mudar pra Minas? Desistiu? - Pensei muito e acabei desistindo sim. Pra que mudar? Na minha procissão de medos intangíveis, eu fui esbarrando com algumas verdades e acabei percebendo que os dias seriam iguais no Rio de Janeiro ou em Minas Gerais. Aqui ou lá, eu serei o mesmo. - Os medos... Os de hoje eu estou afogando nesse copo. - Eu sei, eu bebo também. Todos os dias agora. Fumo ainda mais. Aprendi a tragar, no disfarce das cigarrilhas. - Também dou minhas tragadas. - Veja só: velhos já e com burrices de adolescentes. Não, desculpe, não são burrices. - Não, você está certo, são burrices sim. A gente sabe que faz mal... - Mas acalma um pouco, relaxa. - É isso o que eu vim buscar aqui, um pouco de sossego. - E eu te enchendo a cabeça com as minhas merdas. - Que isso... E aquela menina, a sua namorada? - Acabou, nem sei por onde anda. - Você parecia entusiasmado. - Não, a palavra certa é deslumbrado. Uma menina daquelas para um cara da minha idade funciona como cocaína. Faz a gente se sentir um herói, mas totalmente fora da realidade. Mata mais rápido. Faz a gente envelhecer mais depressa. Acentua nossas rugas. Um dia você acorda com gosto de idiota, de burro, de babaca, sente-se manipulado. Na conta final você perde mais do que ganha. Perde tempo, em troca de uns momentos de sexo em carne fresca e lisa. Perde a vergonha. Quando cai em si e não quer mais, fica com aquela pendência a tiracolo... Não, amigo, acredite: não vale a pena. Nunca mais! Se for para acalmar o instinto, vou usar a minha mão. Ou as putas, as célebres putas do meu Brasil. Essas Irmãs, mães e amantes caprichosas e desprendidas, que sabem ouvir e mentir pra nos fazer feliz. Que são sinceras e fiéis à remuneração do seu ofício, sem mais delongas. Viva as putas! - Viva elas! - Bom, já falei demais, preciso ir. Depois eu te procuro na loja, tenho umas Pesetas para trocar. Cuide de não beber muito. - Pode deixar, vá em paz. Veja como são as coisas. O nosso personagem, que foi ali buscar um pouco de solidão, mal teve tempo de terminar o primeiro chope e aparece alguém para deitar falação nos seus ouvidos. Ele ouviu com atenção, mas não conseguiu entender bem o problema do amigo, que falava de medos, mas que de fato parecia desapontado pelo namoro com uma pessoa bem mais jovem. No entanto, cada vida é uma vida e as opções são sempre de cada um. Ele voltou sua atenção para o chope e para o ambiente à volta. Reparou numas meninas vendendo doces. Viu como se aproximavam das mesas, mais sedutoras do que o esperado para a idade. Tinham malícia nas roupas e nos gestos, mas as caixas de doces eram seguras como bonecas, acolhidas em colo de mãe. Alguns daqueles homens aceitavam o estímulo e ele até reconheceu nos seus olhares uma maldade que julgou doentia. Outros ainda, arriscavam um afago mais abusado. Crueldade. Elas não tinham mais de doze anos. Mesmo que travestidas de mulheres, eram crianças. Sentiu um aperto na garganta e teve medo que elas se aproximassem da mesa onde estava. Pensou em ir embora, mas o garçom já trazia uma nova tulipa de chope, substituindo a que terminava em sua mão. Ficou com vergonha de recusar e acabou se deixando ficar. Viu quando a menina sentou no colo de um homem e cochichou no seu ouvido. Viu depois ela se afastando até um ponto mais remoto, enquanto ele acertava a conta e saía na sua direção. Viu ainda os dois sumindo pelas vielas do beco. Viu, finalmente, como tudo andava errado. Nos conceitos sem pudor, nos valores torcidos, na vergonha ausente. Foi inevitável pensar na sua filha, que devia ter a mesma idade daquela criatura que acabou de desaparecer pelas ruas da noite, pra alugar o seu corpo de brinquedo a um homem que poderia ser o seu avô. Não conseguia entender. Não a menina, que certamente buscava a sua sobrevivência no centro da desigualdade e do descaso humano. Mas o homem, que tinha a opção de recusar, de se fazer desentendido ou até mesmo de ajudar comprando apenas o seu doce. Sentiu vontade de levantar e ir atrás dos dois, para tentar impedir aquele crime. Talvez parar um policial e contar o que presenciou. Mas seria bem provável que elas estivessem ali, trabalhando para os policiais. Ou que eles permitissem essa abominação, para receber de graça o que o homem foi pagar para ter. Sacudiu a cabeça para estancar os pensamentos. Terminou o chope em dois longos goles e dessa vez ele mesmo pediu o terceiro. Um grupo de garotos invadiu o local oferecendo os seus serviços de engraxate. Na mesa em frente a sua, um rapaz já envolvido nos vapores do álcool cometeu um erro ingênuo: assentou o pé sobre a caixa de madeira e consentiu o serviço sem antes perguntar o preço. O garoto se esmerou na graxa e apurou o brilho. Depois levantou e estendeu a mão, fazendo a cobrança: - São vinte Reais! - Quanto? - Vinte pratas! - Tu tá maluco, moleque? Vinte pratas pra engraxar? Isso aí é ouro em pasta? Toma aí três pilas e tá muito bom. - Qual é tio? Vai zoar? Tu que sabe, tu que sabe... - Tá me ameaçando pivete? Pega as três pilas e some daqui antes que eu te meta umas porradas. Ele assistiu ao bate-boca, sabendo que aquilo não iria terminar bem. Conhece bem os códigos dessa armadilha e percebeu quando os demais garotos começaram a se juntar ao redor da vítima. Era melhor sair dali. Levantou e foi na direção do bar, em busca de um banheiro, ainda em tempo de ouvir o maior dos garotos tomando as dores da situação: - Aí, paga o moleque pra não se arrepender, mano. Ele é pequeno mas não tá sozinho não. - Vou pagar merda nenhuma e vai saindo de cima que o bicho vai pegar pra tu também. Ele estava despejando sua urgência quando ouviu os gritos e o barulho de copos quebrando e mesas sendo derrubadas. Prolongou sua estada no mictório até que tudo se acalmasse. Quando voltou a mesa o garçom trouxe o chope e puxou conversa: - Pensei que o senhor tinha ido embora. Que sorte a minha. Quando rola esses barracos por aqui, tem gente que aproveita pra sumir sem pagar a conta. Acaba sobrando pra gente, que assume o prejuízo. Porque o senhor sabe como é, o português não quer saber... Ele sacudiu a cabeça, concordando com o garçom. Sabia bem como era essa relação entre patrões e empregados. No início do ano teve que assumir uma diferença no caixa da casa de câmbio. Não percebeu uns dólares falsos e acatou a troca. O patrão foi compreensivo, mas não assimilou o prejuízo. Descontou a dívida durante seis meses, abatendo do seu salário. Com o pouco que ganha, o desconto refletiu direto no orçamento da família. Viu-se obrigado a atrasar o aluguel do apartamento durante esse tempo. O gerente da administradora foi muito amigável. Ouviu o seu caso com atenção, demonstrou uma benevolência quase santa e prometeu que daria um jeito. Uma semana depois ele recebeu a ação de despejo. O jeito estava dado. Voltou a procurar o patrão, que chorou miséria, evocando os tempos difíceis e os negócios parados. Emprestar não podia, mas se ele quisesse vender as férias, dava-se um jeito. Ele teve que aceitar a opção, mesmo sabendo que o dinheiro não seria o suficiente, mas ajudaria a saldar parte dos aluguéis atrasados, adiando a ação de despejo. Fez isso e conseguiu arrancar um novo prazo junto à administradora, para quitar restante. Mas teve que assinar um termo de compromisso que o obrigava a manter o aluguel vigente em dia. O novo prazo vencia dali a dois meses e ele não via sombra do dinheiro. Vinha tentando alguns serviços extras, desde então, mas nada aconteceu. Nenhuma porta se abriu. Ninguém com quem contar. O leitor deve estar se perguntando, como uma pessoa endividada pode se dar ao luxo de gastar dinheiro com chope. A pergunta é compreensível e até se justificaria, caso o nosso personagem bebesse todos os dias. Aí sim, talvez a conta dos chopes acumulados pudesse influenciar no cumprimento da obrigação pendente. Mas já dissemos que ele é responsável e comedido. Foi ao álcool porque precisava dar um descanso ao corpo e à mente, fustigados pelo momento difícil. E não pense que essa culpa não passou por sua alma. Antes de ir ao beco, precisou convencer a si mesmo que a atitude era necessária. Que o dinheiro a dispor não deixaria de suprir nenhuma necessidade da esposa ou dos filhos. Questionou-se muito no banheiro da casa de câmbio, onde podia falar sozinho à vontade. E, mesmo antes de sair, ligou para a esposa e dividiu a dúvida. Ela entendeu e até incentivou esse momento de desapego material. Portanto, não o julgue por isso. O terceiro chope teve um efeito promissor e ele conseguiu se sentir bem mais à vontade. Em pouco tempo não conseguia mais ater o pensamento a nenhum ponto fixo. Ficou dispersivo, como queria. É como se o álcool tivesse se misturado ao seu sangue e viajado pelo seu corpo até chegar ao cérebro, onde cumpriu a missão de desligar o núcleo central das suas preocupações. Ele agora estava mais leve e precisava apenas ficar atento ao relógio, para não se atrasar demais para o jantar. Conferiu as horas e decidiu que aquele seria o último copo e pensou bebê-lo em sincronismo com o tempo disponível. Um vendedor de amendoins depositou uma prova em sua mesa. Ele observou o montinho de fruto torrado e salgado. Lembrou ter lido em algum lugar que o amendoim é um fruto subterrâneo. Refez mentalmente o processo da colheita. Viu mãos calejadas revolvendo a terra atrás do fruto. Imaginou outras mãos que os descascaram, que os lavaram e os espalharam no processo de secagem. Focalizou um dos frutos do montinho. Imaginou que naquele petisco havia a mão de muitas histórias de vida. Ele havia percorrido um longo caminho até ser oferecido graciosamente em sua mesa. Merecia o crédito do seu paladar. Estendeu os dedos e pegou aquele pequeno fruto, como prova de reconhecimento à sua trajetória. Levou-o à boca e o mastigou com cerimônia, como se estivesse buscando nos seus fragmentos, absorver todas as vidas que o teve nas mãos. O gosto era bom, contrastava harmoniosamente com o chope. Empolgou-se, pegou outro e mais outro, foi aos poucos desfazendo o montinho de amendoins, um a um. Esqueceu-se da sua dentição falha não permitia aquela desenvoltura. Quase engole a sua ponte-fixa, que se desprendeu e rolou pela língua, fazendo um barulho constrangedor ao contato com os dentes verdadeiros. A prótese havia se soltado há alguns meses, mas a falta de dinheiro o impediu de procurar um dentista. Conseguia mantê-la presa no lugar usando uma cola para dentaduras, que precisava ser renovada antes de cada refeição. E agora? Não podia simplesmente levar a mão à boca ali, em público. Pensou em voltar ao banheiro e renovar a cola, mas precisaria lavar a prótese na pia e quando lembrou do pouco asseio do local, desistiu. Era melhor fazer isso em casa. Mas o que faria até chegar lá? Não tinha jeito de ficar com a peça solta na boca por tanto tempo. Resolveu cuspi-la discretamente em um guardanapo de papel. Envolveu a prótese com mais guardanapo e guardou-a na sua pasta de documentos, que sempre levava debaixo do braço compondo sua imagem de trabalhador. Sentiu a boca vazia e um grande mal-estar pela situação imprevista. Sabia que não poderia mais falar, pois o som sairia assobiando por entre a falha e suas palavras ganhariam uma fonética carregada no xis e no esse. Estava na hora de pedir a conta. Levantou o braço para chamar a atenção do garçom e fez com as mãos o gesto de rabiscar. O garçom entendeu. A tulipa do terceiro chope ainda estava pela metade e foi terminada de um gole só. Recebeu a nota, que estava errada, cobrando um chope a mais. Ele sacudiu a cabeça para o garçom e tentou dizer por gestos que só havia bebido três chopes. Não queria falar e ser motivo de piada. - Não entendi, moço. Ele repetiu os gestos, em vão. Teria que falar, não havia outro jeito, queria sair dali e chegar logo em casa. - Foram chó trequix chopisss. O garçom esboçou um risinho irônico e riscou da nota a diferença. Ele pagou, pegou sua pasta e saiu em direção ao ponto de ônibus. Separou o dinheiro da passagem no bolso da camisa e quando já terminava de fechar o zíper da pasta, sentiu-a sendo puxada por trás, ouvindo a voz da derrota: - Perdeu, tio! Voltou-se a tempo de ver um pivete correndo pelas vielas do beco levando a sua pasta. Tentou correr atrás dele, mas não tinha fôlego nem equilíbrio para isso. Desistiu, na pasta não havia mesmo nada de valor. Apenas um pouco de dinheiro e o jornal do dia. Os documentos andavam sempre no bolso da calça justamente para evitar esses contratempos. Tentou se acalmar, minimizando a perda, feliz por ter separado o dinheiro da passagem a tempo. Pelo menos não ficaria a pé. Ele já estava no coletivo, embalando uma madorna, quando foi despertado por uma mulher que pedia passagem para sentar ao seu lado. - O senhor me dá licença? - Claro, xinhora. Sua voz, em educada resposta, gelou o seu coração. Tinha esquecido do problema dos dentes, da prótese que caiu e foi guardada na pasta. Na pasta que foi surrupiada pelo pivete. Entrou em pânico. Não dava pra manter o equilíbrio naquela maré de má sorte. - Ais meus Deux do chéu! Meux dentixis! Ishitou perdidos... Eu merecho, Cherá ques echas fajes ruins nãos pachas nuncas... E agoras, meus Deux e agora... O nosso personagem não conseguiu segurar o desespero, nem o choro. Jogava o corpo para frente e para trás, com as mãos na cabeça e emitindo uma série de palavras desconexas, repletas de sibilados. Foi a sua justificável catarse. Mas aquela conduta repentina assustou a mulher que acabara de sentar no banco ao seu lado. Ela se benzeu, levantou e saiu empurrando suas pernas, sem esperar pela licença dele. Queria sair de perto daquele homem o mais rápido possível. Já tinha visto essas possessões antes e sabia que era coisa do demo. Comentou com os outros passageiros, sem qualquer noção do que falava: - Sabe o que é isso? É macumba. Coisa do demônio. Tá amarrado pelo sangue de Jesus. Só que nem ela, nem qualquer passageiro daquele ônibus, poderiam imaginar pelo que estava passando o nosso personagem. Na verdade, nem tinham o menor interesse em saber. Julgavam o que viam com os seus próprios conceitos e seriam capazes de morrer afirmando que estavam certos. Ninguém queria compreender nem ajudar. Mas amigo leitor, como culpar aqueles passageiros, conhecendo a vida que se leva nas cidades? Hoje em dia é assim mesmo: cada um por si. Quem tem dente que roa a rapadura. Quem não tem...
Copyright Kinho Vaz © 2009
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 697 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para Kinho Vaz.

Comentários dos leitores

Grande história, Kinho! Valeu!

Postado por Silvino em 05-02-2009

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.


> Ler outro conto <   < Ler poemas > < Ler crônicas >

Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.