Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio Autores & Leitores

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


DE PERSEGUIDOR A PERSEGUIDO



					    
RUBEMAR ALVES Vizinhança de pouca instrução impressionava-se fácil com mentiras absurdas e o fulano contava que existiam monstros no garimpo. Monstro era ELE que se aproveitava da ingenuidade alheia, em especial de idosos, ouvintes na rua onde morava. Tentava cercar- se de mulheres, mas não era atraente nem de lábia. Feio, magro, pouca estatura, apenas um tolo metido a galã. (Dizem as mulheres mais velhas: “Galã baixinho era o FRANK SINATRA.” Não sei opinar...) Garimpo foi ilusão porque ELE vendeu dois terrenos de matagal sem nada construído e um carro. Investiu em maquinaria que em pouco tempo enferrujou, literalmente sonhos foram “por água abaixo”, não achou nada, ouro nenhum. E nem era um garimpo assim nos longes de vida, tão distante como ELE fantasiava: nada de atravessar florestas e chegar perto de fronteira, apenas um Estado fora do litoral, com rios e sem mar. A vida ficou toda atrapalhada. O dinheiro certo de uma anterior aposentadoria se tornou curto. Não se soube muito bem porque, mas despachou mulher e filhos cre scidos para morar durante um ano inteiro em Salvador, onde havia parentes dele e uma filha dela, de união anterior, que tinha uma filhinha bem pequena. O apartamento ficou fechado. De tempos em tempos ELE vinha do garimpo, arejava, entrava com almoço pronto e pagava as contas pendentes.. Casa grande adaptada para apartamentos de aluguel, obra confusa, de modo que esta família residia ao mesmo tempo em dois andares - embaixo, mini espaço para sala e cozinha, mini espaço para dois quartos em cima, dezessete degraus de escada o dia inteiro... Assim, eram três apartamentos. Um em cima, espaçoso, o deles de vai-e-vem, e mãe e filha no térreo, no mesmo espaço do primeiro. Houve festa no pequeno prédio, aniversário conjunto de dois menininhos gêmeos e do caçula pouco além de bebê. Minha AMIGA foi convidada, eram moradoras de pouco tempo no ambiente, a mãe sugeriu comparecerem, compraram brinquedos. Pessoal tão bocó que ‘pediu licença’ ao “garimpador fajuto” para fazer a festa na entrada do predinho, um cimentado largo. Consta que ELE fingiu pensar e... “autorizou”. O fulano, que ELA só conhecia de vista, a perseguira desde sempre com o olhar. E nessa noite não deu outra. Chegou perto dela, esticou um copo de refrigerante e fingiu-se respeitoso: “A senhora é a nova vizinha?” ELA odeia ‘senhor/senhora, por favor, com licença, desculpe’ - dribla, em caso de pessoa muito mais velha ou autoridade, aí dá uma volta enorme na linguagem e não pronuncia, ninguém se ofende porque não percebe, intimamente ELA sorri vitoriosa. Desta forma, descartou para ELE o pronome de tratamento cerimonioso , afinal eram vizinhos, formal demais não chamá-la de você. ELE desde bem antes sabia que ELA era professora, mas não avisado que era muito culta. Sem QI de gênio, aprendia fácil, desde a pré-história até agora (o que não viveu, estudou), memorizava idem, dizia modestamente saber um pouco (muito!) de quase tudo. O idiota falou dos monstros no garimpo, descritos como dragões (iguanas no Brasil?!), ELA citou os Irmãos Grimm e Charles Perrault, criadores de contos de fadas, e de quebra ainda incluiu o mito de São Jorge na Lua, com cavalo branco e dragão... ELE, ó, de queixo caído... Se extremamente necessário (ELA nunca humilha os de baixa ou nenhuma escolaridade - considera crime!), quando ELA de todo não sabe um assunto, faz comparações históricas ou sociológicas, cita mitos e lendas, e o interlocutor antes exibido se perde no que estava falando... “O que era mesmo?” E ELA desvia para um tema em que pareça ‘doutora de sabedoria’. (Na atualidade, torce argumentos e mistura a feminista de Brasília com a fascinante Cleópatra e a intrépida Elizabeth I da Inglaterra - ninguém ousa discordar.) Debateu praticamente sozinha sobre 13 de maio e 1964 no Brasil, 1968 no mundo, ELE perdido no tempo; em seguida, palestinos, depois ex-colonização portuguesa na África e Japão do tempo dos xoguns (ahn?!...), o fulano pirou total, sem a menor noção espacial de mapas. Nada é cultura inútil. Ficou doido, enlouquecido, ouvira da própria mulher que ELA parecia perigosa (?) e nesta hora ELE entendeu. Não a encantou, tiro saiu pela culatra, ficou encantado. Literalmente fascinado. A humanidade adora fofoca e no disse-me-disse alguém contou à mulher dele, pouco depois em casa durante férias escolares de meio de ano, que ELA ‘o chamara’ para conversar, apresentando-se como “a vizinha nova”. Calúnia feminina é impossível apagar. Pior: ELE, covarde, não assumiu e con-fir-mou a mentira. Minha AMIGA ouviu muitas indiretas, sem reagir - no fundo, adorou a comédia, assunto balançado entre novela das 7 horas ou programa semanal na tevê. A desconfiada fez ameaças ridículas, sempre em piadinhas, com ebós da Bahia; muito tranquila, minha AMIGA citou um primo babalorixá, “aquele bon itão que às vezes nos visita...” - bom, se nos ameaçarem com gato, a solução é mostrar gato semelhante... ou cachorro. Em dias, retornaram a Salvador. A família de cima foi para outro bairro e as DUAS passaram a residir no alto, sem quintal para varrer. ELE colocou a televisão na entrada do primeiro quarto onde ficava boa parte das horas nas vindas do garimpo. Arranhava mal e mal um violão e cantava letras de amor (?) mal resolvido - na verdade, torcia as palavras das canções. Ou colocava gravação dos sonetos melancólicos de VINÍCIUS DE MORAES. Numa sexta-feira, ELE veio do garimpo, arranjou um problema qualquer na fechadura do prédio e saiu com as malas. Para tudo há solução. Mãe e filha se perceberam trancadas, da janela convocaram vizinha que ia passando e pediram que chamasse um chaveiro, em minutos foi trocada a fechadura (agora seria ELE do lado de fora) e feitas três chaves. Em poucos dias, ELE reapareceu e engoliu o risinho quando a mãe da minha AMIGA arrasou com ELE sem o menor xingamento e apresentou a conta. Pagou! E pr ecipitado, sem reparar na notinha três chaves, dividiu o valor ao meio - muito sabido, mas sem querer pagou a metade de uma das chaves. Ainda serviu de chacota: “cavalheiro” com mãe ou com filha? De repente, surgiu uma mulher a procura deles. Apresentou-se como baiana, pediu banheiro, pediu água, pediu café, contou que conhecia o fulano desde garoto, relatou intimidades muito graves e feias, inclusive que despachara a enteada, novinha, para Salvador, grávida dele à força. Nossa! Desmoralização total. Minha AMIGA guardou o assunto - podre demais para que outros da rua soubessem... Perto do Natal, mulher e filhos voltaram em definitivo. Verão, sexta-feira de sol forte e céu azul. ELA acordou muito bem humorada, fez para a mãe sinal de silêncio e por muitas vezes disse que era feriado. Ora, ELE estava em casa, no sobe-desce constante, arrumou-se para sair, escutou, perguntou à mulher ‘feriado-de-quê’, nem a cunhada visitante sabia, desarrumou-se, olhou o comércio local todo aberto, arrumou-se outra vez. Foi ao banco e imbecilmente perguntou como abriram num dia de feriado... ‘Feriado-de-quê?’ - perguntaram a ELE (minha amiga depois o escutou contar). Ao retorno, subiu a escada e ELA, tranquila e cínica, falou com a mãe sobre feriado em São Paulo, 25 de janeiro, e que um amigo dela talvez tivesse ido para Campos do Jordão, montanha, ou São Sebastião, praia............ Claro que o vizinho deve ter ficado furioso, sem poder dizer que ELA curtiu a cara dele. Como provar? Foram muitas as situações equívocas, atrapalhavam-se toda hora e as maldades pensadas caíam contra ELES mesmos. Filho e filha cresceram, “quem sai aos seus não degenera”, encrencas e mais encrencas com a vizinhança e fora dali - os jovenzinhos desde cedo tomaram os piores caminhos: pai valentão, cadê? Muito engraçado quando passou uma patrulhinha e um militar pediu uma informação qualquer. Estavam junto ao portão da calçada, arrumados como quem vai sair, falaram os quatro ao mesmo tempo - “não-fui-eu- moço-eu-juro” - voltaram para o apartamento e se trancaram em casa até a manhã seguinte. De comédia passaram a tragédia? Minha AMIGA e a mãe enjoaram do convívio obrigatório, arrumaram nova casa em ambiente longínquo. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2013
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 470 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

A Política da Boa Vizinhança (estudei, viu?) foi em 1946, união de certos países que possuíam certos minérios de interesse dos... - deixa pra lá... No dia a dia, a ter vizinhos desse tipo brabo é melhor não tê-los.

Postado por lucia maria em 09-02-2013

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.