Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio BAC

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


LAVOISIER DE SAIA



					    
RUBEMAR ALVES Primeiro dia de aula, 7ª série (na nova nomenclatura, 8º ano: dá no mesmo!), Ciências, o professor descendente de árabes (no islamismo medieval, Idade do Ouro islâmico, entre os séculos VII e XVI, evoluídos estudos nas áreas de física experimental, física matemática e física teórica, também alquimia, medicina, astronomia), já entrou escrevendo no quadro-de-giz uma frase famosa, que ELA guardaria para sempre: “Na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma.” LAVOISIER. Professor explicou que um ensaio do russo MIKHAIL LOMONOSOV (1711/1765), “Lei da Conservação das Massas”, foi publicado pela primeira vez em 1760, sem grande repercussão na Europa Ocidental, porém quatorze anos depois o francês ANTOINE LAVOISIER (1743/1794) obteve mais sucesso com a “Lei” que acabou petrificada com o seu nome... Bom, para ELA se aproveitara ao início da 5ª série a saia grandalhona de uma prima gorda que terminara de estudar - desmanchar todas as costuras, tingir de azul-marinho, diminuir o tecido, novo tamanho de molde (Ratinha ainda bem garota) e recosturar. Saia “nova” sem reparo ou crítica alguma. Todo mundo ao redor fazia isso, tá? ...porque em qualquer sistema nunca se cria ou elimina matéria, assim como não se cria nada do nada nem se transforma algo em nada. Crescera sob a norma de não desperdício, não jogar fora o que ELA mesma ou outra pessoa pudesse aproveitar. Colaborava nas campanhas da igreja católica do bairro - doações: roupas e calçados (ELA crescia), livros da série anterior (sempre aprovada), até jogos de papelão (esportivos nunca) e brinquedos (tem fotos cercada de bonecos e... panelinhas). Cascas de ovos quebradas e de legumes picadas passavam depois pelo liquidificador com bastante água e serviam para fertilizar as plantinhas domésticas em vasos de barro. Por não se poder consumir a matéria até a aniquilação total (queimar é “fabricar” cinza), surge daí a poluição ambiental na água (nas manhãs de praia, ELA trazia para casa o papel e palitinho do sorvete), no solo e no ar. Os resíduos ou sobras indesejáveis, entretanto, podem ser incorporados ao meio e posteriormente reutiiizados, em processo denominado de reciclagem, ou seja, equilíbrio entre consumo e reutilização. Juntou muito jornal, muita garrafa, muito alumínio amassado para o ferro-velho... Anos passados, casou. Num certo dia, comprou pedaços avulsos de carne de segunda, não fez sopa, muito calor ainda, congelou crus... e esqueceu; num outro dia viu e, antes que ficassem muito antigos, juntou tudo numa panela só, carnes variadas, rodelas de linguiça, pedaços miúdos de cenoura, cebola, um pouco de vinho tinto, água, sal... encarregou o fogo do fogão de trabalhar sozinho. Vasilhame plástico, esfriou, guardou a comida pronta no freezer e esqueceu. Num outro dia, comprou pacotinho de macarrão oriental, guardou no armário da despensa, sem compromisso de data para refeição, e... esqueceu. Num outro d ia, comprou legumes picados num pratinho de isopor com a etiqueta yakisoba, guardou na geladeira... e esqueceu. Não falta de memória, nada disso, é que a Geminiana é uma pessoa múltipla e se ocupa de mil coisas intermináveis ao mesmo tempo, mistura tudo dentro da cachola e jamais sabe que direção tomar em linha reta. (EU, Ariano, todo retinho, bem que tento fugir!) Ajudava o marido em certas pesquisas culturais, principalmente literárias, ao computador e.............. esquecia da vida, não percebia as horas circularem no relógio da sala. “Tudo isso? Não deu tempo. O que não fiz hoje, faço amanhã.” Um amanhã eternizado. Numa certa noite, estrada... e jantaram em restaurante japonês no bairro da Liberdade - yakisoba, tempurá e saquê. Aí, passados uns dias, foi mexer no freezer e encontrou a mistura das carnes cozidas e bem temperadas. Foi mexer no armário, pacote fechado caiu de lá de cima. Foi mexer na geladeira, os legumes quase falando: “Óia nóis aki!” (Japonês usa muito a letra K.) Usou 3 panelas - tudo em conto de fadas é 1-2-3. Cozinhou o macarrão. Desfiou parte das carnes (ainda sobrou para um futuro “risotinho”... ou p astelão?), juntou mais água e ferveu. Cozinhou os legumes. Num pires untado com manteiga (ELA exige mineira), misturou tudo em camadas, banhou com creme de leite, cobriu com parmesão e colocou na geladeira. Não, desta vez não... esqueceu. Forninho elétrico mais tarde. Ao jantar, marido cansado após emprego pesado e faculdade noturna, chuveiro bem quente, ELA serviu a pomposa comida “yakisoba à napolitana” (ou “suíça”?) e ainda recebeu elogios. ELE passou a desconfiar que o doce chamado “pavê”, sobremesa gelada de quase todos os domingos, nunca exatamente iguais, é também uma discreta “reciclagem” - mistura de diferentes biscoitos (não comer de uma só vez o pacote inteiro de meio quilo) banhados em leite (ficou só um bocadinho no fundo da caixa), licor de frutas nacionais ou vinho (acabar de esvaziar a garrafa) e um monte de sabores diversos, como casca ralada de limão/laranja, tomate açucarado, parte branca da melancia, nozes que sobraram do Natal, chocolate da Páscoa comido pela metade e muitos mais curiosos encalhes culinários................ F I M
Copyright ATHINGANOI © 2013
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 474 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

E aposto que você adora as reciclagens de domingo... Estas idéias surgem da sua imaginação ou de experiência pessoal doméstica? Você saberia - sozinho - reciclar ovos de Páscoa em brigadeiro? Parabéns!

Postado por lucia maria em 30-03-2013

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.