Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio BAC

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


ÁGUA QUENTE



					    
RUBEMAR ALVES ELA sempre jurou que o ‘queimaria’ (sentido de ‘fazer passar por uma situação vergonhosa’) e ELE imaginava sempre ameaça de tostá-lo. “Coitado se me trair algum dia! Publicarei tudo no maior jornal do país.” Quando a viu entrar no quarto (suíte: banheiro incluso) com o balde de alumínio e percebeu pelo vapor que era água quente, apavorou-se. (Lera no jornal notícia “horrível” com um traidor desconhecido. No mínimo, ficará estéril!) Tudo acontecera na véspera. Em minutos, lembrou que logo cedinho, às seis da manhã, dera inocente carona à nissei, vizinha do lado direito (“Está mais magra!”), carregando enorme bolo confeitado para o templo xintoísta, apenas porque não passava nenhum táxi naquele momento. Quis somente colaborar. Esqueceu de contar. “Será que ELA viu?” Ao meio-dia, almoçara com a secretária (“Olhos verdes que nunca notei antes!”) da diretoria da empresa, em mesa para duas pessoas, apenas porque as mesas coletivas do refeitório e stavam todas ocupadas. Chegou em casa, isso ELE tratou de contar, almoço às vezes implica em conversar intimidades, rir, um usar a faca um tanto mais amolada do outro... antes que um fofoqueiro dedurasse com malícia. Ao final da tarde, sempre caridoso, trouxe a loura da casa à esquerda, viu-a de dentro do carro, a pé a caminho de casa, apenas porque estava com sacolas do mercado, ainda duas crianças pequenas (“Um bebezão dentro da barriga!”), tadinha! Nem dera muita atenção a nenhuma das três............ Assustado, colocou a mão logo abaixo da cintura, por dentro da cueca, na idéia de proteger o parque de diversões. “Aqui, não, por piedade. EU explico o que de fato aconteceu... Comprarei uma orquídea, é, e bombons de cereja, é, e um perfume; se preferir, levarei para jantar num restaurante fino..................” Nada disso. É que ELA se distraiu... e esqueceu de levar para fora a roupa usada, ainda no cabide da porta do banheiro. Mais prático trazer o balde e deixar de molho ali mesmo. “Eu, hein?! O que é que deu em você?” ELA ‘apenas’ fervera água com sabão em lâminas para tirar manchas de gordura (como aconteceu?) de um vestido novo. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2013
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 365 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Sempre escutei falar - quem tem culpa no cartório, bota a mão na consciência. "Não" reparou detalhes nas três mulheres, jura? Este fato da água quente aconteceu (também) na minha casa. Cuidado! Parabéns!

Postado por lucia maria em 05-05-2013

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.