Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio BAC

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


AO VENCEDOR, AS BATATAS



					    
RUBEMAR ALVES Frase célebre de QUINCAS BORBA, personagem de MACHADO DE ASSIS. Personagem-narrador, dentro do romance maior, conta a estória de duas tribos que lutam por um campo de batatas que só abasteceria uma tribo. O mundo deve agradecer o fato das BATATAS terem chegado à Europa através dos navegadores e conquistadores espanhóis que vieram atrás de ouro e prata, no século XVI, mas também conheceram esta “raiz” (em verdade não raiz, mas tubérculo) comum aos incas e que seria tão apreciada depois pelos europeus. A planta nativa americana conquistou o mundo e hoje é a quarta maior cultura do planeta, só perdendo para o trigo, o arroz e o milho, também americano. Originária das regiões altas do sul do Peru, nos Andes, perto da fronteira com a Bolívia, as 200 espécies do tubérculo eram cultivadíssimas pelos incas. Levada para a Espanha nos anos 1500 e logo introduzida na Inglaterra, a batata se tornou um dos alimentos mais consumidos no Velho Mundo e até mesmo os camponeses catadores inspiraram uma tela do holandês VINCENT VAN GOGH. As primeiras importadas tinham formatos e cores variados, diferentes das atuais - pequenas como nozes ou do tamanho de maçãs, de polpa branca, amarela ou roxa, casca púrpura, azul ou verde. Na atualidade conhecemos cerca de 3.000 variedades, vegetal consumido em todos os cinco continentes, seja frito, cozido ou assado. O farmacêutico, agrônomo, nutricionista e higienista francês ANTOINE PARMENTIER foi grande propagandista do novo alimento e criador da batata frita num jantar oferecido em Paris a BENJAMIN FRANKLIN (1706/1790) que adorou a iguaria e anos mais tarde a apresentou a THOMAS JEFFERSON (1743/1826), terceiro presidente dos Estados Unidos. Batatas fritas populares só após a Primeira Guerra Mundial (1914/1918) quando os soldados americanos a consumiram na Europa e as cadeias de ‘fast food’ surgiram após 1950 com as técnicas de congelamento das tirinhas de batata, porém... os verdadeiros inventores das batatas chips foram os incas que as pisoteavam para perderem água, ficare m crocantes e assim podiam ser estocadas. Quem do Velho Mundo saboreou primeiro a batata no Novo Mundo? A teoria mais lógica foi a luta dos marinheiros espanhóis pela sobrevivência, aqui e na longa jornada de retorno à Península Ibérica. Nem mesmo o pirata inglês FRANCIS DRAKE resistiu a elas em sua viagem de volta ao mundo de 1577 a 1580. Piratas comiam qualquer coisa; camponeses, burgueses e nobres não - segundo historiadores, os europeus do século XVI comiam grãos de trigo, centeio e aveia, poucas frutas e verduras, peixe ou porco. A batata ia sendo plantada em pequena escala e substituía os cereais tradicionais na sopa e no fabrico do pão. Muitas fomes cíclicas colocaram produtos americanos e asiáticos na mesa dos europeus - no século XVII, a batata já era consumida na Alemanha, na Holanda, em parte da Inglaterra e principalmente na Irlanda. Só após 200 anos os europeus aceitaram a BATATA como alimento - por supertição e fanatismo, alegavam que não era citada na Bíblia, e - novidade inca - seria demoníaca, útil apenas para alimentar porcos. Ah, mas depois a fome e a necessidade fez com que ricos e pobres perdessem o medo. Governos e estratégias com o tempo a tornaram a base alimentar de boa parte dos europeus. Nas Américas, a princípio considerada comida de índio, fez sucesso após aceita na Europ a e pela imigração irlandesa no século XIX. Sim, porque uma praga nas plantações em 1845 levou os irlandeses famintos a migrarem e “fazerem a América”, adaptando-se a um novo modo de comer e mais tarde construindo o império do ‘fast food’. ----------------------------------------------------------------------------- NOTA DO AUTOR: QUINCAS BORBA - Romance escrito por MACHADO DE ASSIS, em princípio folhetim na revista A Estação entre 1886 e 1891, finalmente publicado em 1892 pela Editora Garnier. FONTES: ‘Os sabores do Novo Mundo’ - Revista NÓS DA ESCOLA, Rio, SME, nº 48 / 2007. ‘Batata vencedora’ - Jornal O GLOBO, Rio, 21/4/02. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2013
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 349 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Faltaram duas coisas importantes: uma exclamação entusiasmadora lá em cima - ".........batatas!" - e um convite para batatas fritas na sua cidade. Boa aula! Parabéns!

Postado por lucia maria em 13-06-2013

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.