Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio BAC

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


SIMPATIAS CIGANAS



					    
ELE propôs ir sozinho às compras da quinzena e ELA concordou. Acordara esotérica, no mundo dos mistérios, consultou Numerologia na Internet. Tantas diferentes definições, que desistiu. Bom, fez uma lista com 21 (7x3) itens variados para a casa, diminuiu para 14 (7x2), depois 7 (o básico e tradicional em vários setores), e finalmente... apenas 3 (que indica perfeição) aquisições pessoais: um chinelo dourado, rasteiro; dois bombons de cereja ao licor; não mentiu propriamente, apenas disse “meia verdade” e deu o nome de uma revista que tem o horóscopo do mês - a ‘outra verdade’ oculta é que trazia Rezas e Simpatias... Já conhecia o conteúdo: lera numa sala de espera. Castigo: ELE que olhasse na despensa o estoque encolhido e escolhesse sozinho os mantimentos, na má intenção de não levá-la. SIMPATIAS DE SANTA SARA - Memorizou resumidamente a lenda. “Logo após a crucificação de JESUS, três mulheres cristãs, acompanhadas de SARA, que trabalhara como criada de patrões ricos, foram atiradas numa barca, sem rumo e sem comida, mas aportaram milagrosamente numa praia arenosa perto do rio Ródano, onde mais tarde ciganos fundaram uma igreja que virou terra sagrada, local de peregrinação, ponto de encontro de todas as tribos do mundo... Ciganos e gadjés (não-ciganos) fazem ali a Festa da Luz e assistem da praia um padre numa barca benzendo o mar, mistério ‘molhado’ que sempre atraiu os humanos. Ciganos jogam flores e perfumes nas águas, culto de Santa Sara ligado ao mar. É a protetora do amor e dos casais.” ELE, tipo fechado, provedor que traz o sustento e à mulher não interessa se na empresa o departamento dele fabrica parafusos quadrados, soldadinhos de alumínio ou forma de bolo triangular. “E na hora do almoço, como é e com quem?” ELE tinha vontade de inventar um quarteto (não: quinteto é melhor... ou sexteto?) de companheiras de trabalho, nada de macacão e sim shortinho jeans com a inicial do nome das garotas pintado “na montanha lá atrás”... Calava-se e a deixava com imaginário ponto de interrogação pintado na testa. “Ah, não quer contar? Pois vai falar à força!” - pensou. Domingo tranquilo, em casa, aninhados no sofá, ELA estreou o chinelo andando de um lado a outro, sem passeio algum - mês de junho, temperatura muito fria lá fora, bem quentinha entre o casal. Na segunda-feira, abriu a revista e resolveu executar a primeira simpatia. Empresa e faculdade noturna, marido chegaria bem tarde, cansadíssimo. “Para fazer seu AMOR falar tudo que fez durante o dia: À noite, quando ELE adormecer, ponha um chinelo sob a sua barriga e ELE vai falar tudo.” Deu desculpas que iria ainda arrumar umas roupas lavadas, varrer a cozinha, colocar feijão de molho etc. etc. etc. ELE dormiu de roncar, sussurrou-lhe delicadamente ao ouvido e conseguiu que virasse de lado, aí ficaria mais complicado colocar o chinelo na posição exata. Bom, colocou apenas encostado. Fez gestos de quem dirige um automóvel e depois outros, desconhecidos para a curiosinha, ainda sem falar, como se acionasse alavancas ou manivelas. Depois, em voz quase clara, comandos numa linguagem técnica e a mulher não entendeu coisa alguma. Agora, aula noturna, frases em latim e simulou escrever. De repente, ELE desandou a falar “eu-te-amo”, frase repetida como papagaio, virou-se na cama, barriga para baixo, prendeu o chinelo com o corpo e foi assim até amanhecer. Saiu de casa antes do sol, ELA nem viu, já percebeu a cama vazia. Não entendeu nada... mas que ELE falou, falou! Esperou um tempo curto, poucos dias. “Simpatia do BOMBOM enfeitiçado: Passe o bombom de cereja, representando o coração, sem papel, pelo corpo inteiro levemente, depois embrulhe-o e dê ao seu amado. O AMOR será eterno. É infalível!” Aí foi fácil. Ambos gostam muito de chocolate. Esperou por ELE acordada, bombom dele já preparado para um amor eterno. Só que o marido recusou o exato bombom que ELA ofereceu, gracejou que ‘poderia’ estar envenenado, trocou na mão da mulher. Dizer o quê? Troca pacífica. Ainda faltavam dois dias para o sábado e ELE estranharia se o chamasse para circular no shopping. Novamente fácil. Bom demais para ser verdade! “Simpatia de CIÚME: Para acabar com isto, que a faz sofrer, lave seus pés numa lagoa numa quinta-feira, na intenção da perda do ciúme. Dá sempre certo!” Por acaso faculdade em reunião de professores, marido teria tempo livre. “Jantar fora hoje?” “Comemorar o dia 6, data em que nos conhecemos (ELA tem explicação para tudo - diz de si própria que é a mais ‘desculpeira’ do mundo).” Foram. Não correu com ELE ‘mil’ lojas... Peixe cozido com muitos legumes coloridos, sorvete de casquinha por sobremesa, chocolate é o que menos endurece, ‘sem-querer-querendo’ fez o creme cair-lhe nos pés em boa quantidade. Sem lagoa, mas dentro do shopping uma fonte de água com enfeites de cupidos - lavou os pés, calçou o chinelo dourado. Ótimo! Poucos passos, e um rapaz sorridente se dirigiu a ELA, ignorando a presença do marido: “Ah, eu soube que você veio morar nesta cidade. Estou há anos aqui...” Nossa! Colega do tempo da escola primária, ainda. Lembraram qualquer coisa sobre uma festa ou teatrinho à fantasia, o ignorado acompanhante não deu atenção. Com este, foram dez minutos de tagarelice útil-inútil. Um beijinho de cada lado. Outros bons minutos com o vendedor de uma loja, que acenou da porta mesmo, avisando sobre o novo estoque de......... O ‘proprietário nada ciumento’, convenientemente ensurdecido, nem escutou direito. Difícil saírem pois outro carro estava atravessado na frente e do estacionamento chamaram o dono pelo autofalante. Veio. Era o sujeitinho inicial, um idiota... Foi pior (ou melhor?): tagarelice mais rápida, agora útil para conhecimento do marido, e inútil, pois o encanto antigo, apaixonadíssima pelo antigo menino, já se esvaíra há muitos anos. Festa de escola, vestida de passarinho de papel crepom, a pequena sabiá recitou o incio da CANÇÃO DO EXÍLIO, do poeta maranhense GONÇALVES DIAS, emoldurando cena romântica entre o parzinho: ator-menino-poeta e uma improvisada-atriz-lourinha-desbotada. É, paixão de infância. Marido afirma que ‘não é nada ciumento’, diz que apenas cuida do que lhe pertence. A mesma cena que em verdade verdadeira verdadeiríssima ELA simplesmente a-do- ra: pegou-a pelo braço, alegou que a mulher estava “muito cansada” e foram para casa. Decepção. ELE acabou confessando que sabia das simpatias. Enquanto esperava no salão para cortar o cabelo, desfolhara a tal revista e......... ----------------------------------------------------------------------------- Leiam meus contos O SABIÁ DO POETA - Partes I e II. NOTA DO AUTOR: RIO RÓDANO (em francês Rhône) - Importante rio europeu, comprimento num total de 812km, nasce na Suíça e acaba na França, onde deságua no Mar Mediterrâneo. Já globalização - tem sido importante desde o tempo dos gregos e romanos, principal rota comercial do Mediterrâneo para o leste- central e a Gália, ajudando a transmitir as influências culturais greco- romanas para o Ocidente e as tribos celtas próximas; entretanto, navegação difícil: correntes, bancos de areia, inundações na primavera e início do verão com o gelo derretendo e secas no final do verão. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2013
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 482 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Conheço um "certo" fulano que se dizia agnóstico, mas hoje aceita - ainda que relutante na base do 'mais-ou-menos" - simpatias, figa, vaso de comigo- ninguém-pode,banho de sal grosso etc. etc. etc. Parabéns!

Postado por lucia maria em 25-08-2013

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.