Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio BAC

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


CASAMENTO DA RAPOSA OU ASTÚCIA DA MINHA...?



					    
“Casamento da raposa!” Diz-se tal crença quando chove e faz sol ao mesmo tempo. Há uma estória tradicional que explica o dito popular: “A RAPOSA ia casar e, vaidosa, desejando que a floresta inteira comparecesse, fez convites com insistência. Havia, porém, um impasse pois há bichos que na chuva não saem das tocas e outros que só saem quando chove: dois grupos diferentes, de natureza diversa que dificilmente se acomodariam lado a lado. Tradicionalmente velhaca, ELA espalhou entre a bicharada contrária à chuva que o “profeta” do Jornal Nacional anunciara na tevê SOL para o dia do CASAMENTO, fazendo espalhar ao grupo oposto ao sol que uma infalível “profecia” de outro casal televisivo anunciava CHUVA para aquele dia.” A estorieta se encerra sem esclarecer em que ‘clima’ (trocadilho para leitor aplaudir!) foi realizado o casamento - o certo é que, ainda hoje, simultaneidade de sol e chuva é o popular “casamento da raposa”... Minha AMIGA adora simplicidade e ao mesmo tempo enigmas. Xiii, se alguém bobear, dá nó até em pingo d’água! (E EU casei com ELA, Mein Goten, casei!!!) Não vaidosa por festas, não queria um bando de gente, muitas vezes amigos e amigas falsos, invejosos, indo xeretar o CASAMENTO. Mesmo porque, noivo morando em outra cidade e onde ELA iria residir depois, não teria como hospedar nem gente sincera nem gente enxerida-bisbilhoteira. Maquiavélica ou por “distração” (nunca atrapalhada, pois é detalhista e não esquece nem confunde coisa alguma), o plano ‘raposal-velhacal’ deu certo. Pesquisou no atlas e na Internet. Escolheu ao acaso duas cidades bem longe... nome apenas com a mesma letra inicial “S” - fácil depois dizer que escutaram mal o que ELA falou por telefone. Para uns, casamento apenas CIVIL, indicou dois cartórios, ruas distantes, em cada cidade; para outros, casamento RELIGIOSO, indicou em cada cidade uma igreja católica, ambiente fechado, e um parque ecológico, moda de casamento ao ar livre sob um toldo branco, imitando telenovelas, ora casamento de luxo, mulherada em largos chapéus, ora simplicidade, permitindo jeans e camisa de malha - até aí, oito diferentes lugares... nenhum para o verdadeiro ato. Ah, e tem mais: não contar a ninguém, segredo secreto secretíssimo absoluto, “. ..estou convidando apenas você”. A estorieta se encerra sem esclarecer em que ‘clima’ foi realizado o verdadeiro casamento - o certo é que, amigos e “amigos” divididos em oito locais diferentes, sem salgadinho e guaraná ou cerveja, sem bolo ou champanhe, devem ter ido mesmo comer sanduíche de mortadela no botequim pé-sujo de beira de estrada ou baguete sem recheio na padaria da esquina. (Por que padaria é geralmente na esquina?!...) F I M
Copyright ATHINGANOI © 2013
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 333 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Para casamento, bastam ele, ela e o juiz. Sem xeretagem e palpitaria. Noivo pode casar de jeans azul claro? Esta´personagem não imitiu... Ela é raposa! E "você" casou com ela??? Parabéns pela ficção linda!

Postado por lucia maria em 07-11-2013

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.