Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio Silvino Bastos

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Avaliação de trabalho publicado

Caro leitor,

Este trabalho encontra-se em avaliação pelo público. Ao acabar de lê-lo, você está convidado para registrar a sua impressão.

Desta forma, você estará dando uma importante contribuição para incentivar o autor deste trabalho a aprimorar sua capacidade e também a continuar escrevendo, cada vez mais e melhor!

Bons Textos!

> Ler outra crônica <   < Ler contos >


< Ler outro trabalho de ATHINGANOI >


< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


ESTÓRIAS CARIOCAS SEM CRONOLOGIA-PARTE IV



					    
No início do Rio, a comida básica era peixe fresco (sem supermercado e freezer, talvez com feira-livre). Produtos nomeavam as ruas de comércio. O rio se chamava Carioca, local de abastecimento para navios no século XVI, o peixe era acari, as águas de mar-rios-manguezais forneciam a alimentação - surgiam baleias na baía de Guanabara, de que se extraía óleo para a primeira iluminação da cidade. Jesuítas exaltavam em cartas as fartas pescarias do robalo na foz do rio Macacu, às margens da baía de Guanabara: comida fácil, na época, no Rio de Janeiro... na ausência de rebanhos, na dependência de bacalhau e sardinha virem da corte, lá longe. O pescado fresco nomeou localidades - como certo trecho da rua da Alfândega, apelidado rua da Quitanda dos Mariscos. Fora o papo de ‘prato cheio’, de conchas e mariscos dos manguezais, moradores produziam cal para construções, à revelia dos jesuítas defensores da exploração dos manguezais, madeira usadas nos parreirais de Portugal e plantas para curtir o couro - batalha jurídica no século XVII, vejam só a preocupação já naquele tempo com o meio ambiente, a ecologia! Em 1816, D, João VI criou a Escola Real de Ciências e Arte (mais tarde Escola de Belas Artes) e, para organizá-lo, “importou” para o Rio de Janeiro um grupo de artistas franceses, a Missão Artística Francesa, entre os quais Debret que fixou os costumes da terra em desenhos e pinturas (também mudança local, sob influência francesa, dos vestuários feminino e masculino: punhos e golas de renda, uso de brocados e sedas e galões dourados). Assim, em 1834, o mercado de peixes na praça XV foi encomendado ao arquiteto francês Grandjean de Montigny, da referida missão - tudo reunido num mesmo lugar... FONTES: Folheto “O Rio de antigamente” - Rio, SENAC, recorte sem data --- “Compras na rua da Quitanda dos Mariscos” - Rio, jornal O GLOBO, 2/8/15. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2017
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 15 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

O QUE VOCÊ ACHOU DESTE TRABALHO?

EXCEPCIONAL    MUITO BOM    REGULAR    FRACO    MUITO FRACO    
SUA AVALIAÇÃO É SECRETA E AJUDA A ELEGER OS MELHORES TRABALHOS

Comentários dos leitores

Sempre digo que a História do Brasil é linda e cheia de curiosidades maravilhosas. Parabéns!

Postado por lucia maria em 13-05-2017

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.


> Ler outra crônica <   < Ler contos >


< Ler outro trabalho de ATHINGANOI >




AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.