Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio ebook Vigilante

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


ESTÓRIAS CARIOCAS SEM CRONOLOGIA-PARTE X



					    
Viagem no tempo......... Já descoberto ou “achado” o Brasil, necessário demarcar as terras como ‘portuguesas’... história meio incerta e hipotética, porém uma expedição chegou à Baía de Guanabara no dia 1 de janeiro de 1502, imaginaram ser o estuário (embocadura larga) de um grande rio e “batizaram” maravilhosamente o Rio de Janeiro. Chegavam ao Brasil aventureiros, contrabandistas e exploradores, versáteis, interessados em produtos da terra; pau-brasil, pimentas, peles de animais (para eles, exóticos), macacos, papagaios etc. Franceses, os mais assíduos, logo amigos e aliados com os índios tamoios, habitantes da região - muitas trapaças contra os portugueses... Muita gente de olho no Rio.. Em 1555, Villegagnon instalou a França Antártica na Baía de Guanabara, algumas ilhas, colônia francesa “carioca”... Aí, a rainha regente de Portugal, D. Catarina D’Áustria, se encheu (!!!) determinou a expulsão dos intrusos (ainda não havia a sedução do Chanel número 5), conter este desenvolvimento colonial e a fundação de uma cidade - em 1560 (ainda sem Internet imediatista), o governador-geral Mem de Sá acabou com essa ‘festa’ na laje alheia e os derrotados se refugiaram no interior, mas sempre agindo e tentando reagir - em 1565, o sobrinho (nepotismo já era comum...) Estácio de Sá chegou à Bahia e no mesmo ano aportou no Rio com navios e soldados, se instalou entre o Morro Cara de Cão (área atual de Botafogo) e o Pão de Açúcar 9atual Urca) e fundou a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, parcial nome em homenagem ao rei-menino de Portugal - poucas casas de madeira, abriu trincheiras, fortificou o local e construiu a igreja do padroeiro da nova cidade, que já nasceu cidade (a única do mundo), sem as fases de povoado e vila. Expulsão de franceses e seus aliados tamoios só numa batalha realizada em 20 de janeiro de 1567, Estácio ferido por uma flecha envenenada e o herói morreu um mês depois. --- A cidade subiu o morro......... O tio transferiu a cidade da Urca para um lugar alto, em 1567, mais adequado para expansão urbana e proteção, com várias fortificações, que passou a ser conhecido como o Morro do Castelo (demolido em tempos modernos, 1922, ajudou a aterrar vários trechos da cidade e deu lugar a um bairro central, Esplanada do Castelo, nome hoje em desuso) - algumas casas de pedra, igreja, colégio dos padres jesuítas e hospital; muro bem forte, defendido por canhões a semelhança de um castelo como nos tempos medievais - ao redor, planície com brejos, rios e lagos, difícil acesso devido a trilhas esburacadas, na época era andar a pé ou a cavalo. --- A cidade desceu o morro, não nova e oficialmente transferida, porém população aumentada, menos espaço para tanta gente......... Agora, ocupação da várzea. Surgiram as primeiras ruas, os primeiros bairros, inicial o da Misericórdia, nome devido à Santa Casa da Misericórdia, fundada pelo padre Anchieta. A várzea, praticamente um pantanal, brejos e lagoas “onde à noite cantam os sapos e, de dia, sobre a lama endurecida, os caranguejos estão se aquecendo ao sol”, entre morros (Castelo, São Bento, Conceição e Santo Antônio), foi sendo aterrada e drenada. Da Igreja do Carmo para os lados do Morro de São Bento, surgiu o Caminho da Praia, depois chamada Rua Direita (Rua Primeiro de Março após a Guerra do Paraguai)), nascendo e se desenvolvendo a vida comercial. Outros caminhos com também dificuldades de locomoção: Caminho do Quebra-Canelas (hoje Rua Frei Caneca, no Estácio) e Mata-Cavalos, rua cheia de barrancos que cansava muitos os animais (atual Rua do Riachuelo, na Lapa, em processo ativo de revitalização). FONTES: Folheto “O Rio de antigamente” - Rio, SENAC, sem data --- Livro “Gente do Rio, Rio da Gente”, 1996 --- “A fundação do Rio de Janeiro” - Rio, jornal O GLOBO, 20/2/84. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2017
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 20 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Curiosamente, até o pessoal da Copa do Mundo e das Olimpíadas não estava querendo voltar para casa. Terra da simpatia e da hospitalidade, "...braços abertos..." - Jobim poetizou. Parabéns!

Postado por lucia maria em 27-05-2017

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.