Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio KD Inovações Tecnológicas

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Avaliação de trabalho publicado

Caro leitor,

Este trabalho encontra-se em avaliação pelo público. Ao acabar de lê-lo, você está convidado para registrar a sua impressão.

Desta forma, você estará dando uma importante contribuição para incentivar o autor deste trabalho a aprimorar sua capacidade e também a continuar escrevendo, cada vez mais e melhor!

Bons Textos!

> Ler outro conto <   < Ler poemas > < Ler crônicas >


< Ler outro trabalho de ATHINGANOI >


< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


BERGSON E O RISO: TESTE PARA EMPREGO



					    
O homem usava bengalas de cores variadas, apenas uma era branca, a dos sábados, trânsito mais espalhafatoso no bairro. Não parecia exatamente um cego, inseguro, apenas um reumático, sei lá. Raras pessoas sabiam, discretas. Este narrador custou muito a acreditar. Beirando talvez uns sessenta anos. Aspecto vigoroso. Divorciado, sem filhos. Professor de História e Filosofia, aposentado, dizia ele sem detalhes, “por precipitação médica”. Altíssimo intelectual e poliglota. (Não fala mandarimnem javanês.) Óculos variadíssimos, lentes de todas as cores possíveis, nigérrimas compradas na Disney, numa gaveta do móvel da sala. - - - - - O jornaleiro culpado pelo recado acabara de se formar em Direito e optara em banca de jornais e períodicos pela manhã e escritório iniciante à tarde. (Mas não comigo.........) Culpado? Sim. Indicou vaga para ela em “outro” escritório. (Melhor seria ficar em casa, forno-fogão-vassoura etc.) Não a queria perto, assumidamente bastava a tentação diária da Geminiana tagarela e versátil em assuntos (pouco mais calada há alguns meses) quando vinha comprar pão e leite na “Padaria da Esquina” (é, sim, nome locativo e comercial), ele trabalhando em banca-lojinha (tipo semi fechada) na calçada, e geralmente conversavam... animados e respeitosos. (Eu sei!) Eu o achava um tipo simpático, bom de conversa social, certeiro futebolista nas horas vagas, mas sempre evitei muita intimidade. Nunca se sabe onde mora o perigo... E o perigo surgiu inocente como agenciador de emprego sério para mulher feminista. - - - - - ELE ditou (super memória) e ELA escreveu usando caneta e papel azuis: BERGSON (1859/1942) - Atraente figura do pensamento humano; profundas idéias originais, auréola de estima e simpatia. Nasceu em Paris, estudos brilhantes no famoso Liceu Condorcet e lecionou filosofia em vários institutos da capital e do interior. Academia Francesa em 1914. /Fez uma pausa, pediu à moça que lhe trouxesse água mineral gelada. Poucos minutos e continuou.../ Tese de doutorado, em 1889, sobre o mecanicismo e a liberdade. Escreveu sobre as relações e alma e o corpo. Outros livros. Em 1900, um livro muito falado, porém secundário, “Le rire”. /Parou de ditar e deu uma gargalhada. Não recomeçou.../ A entrevistada sem entender. Enigma. “Gostei. Letra desenhada, espontânea e bonita. Escreveu com muita calma.” Ainda teste ou não, passaram o resto da tarde arrumando livros que estavam espalhados pela casa. Nacionais e estrangeiros. Não explicou a ELA o porquê dos livros que não lia mais (tantos, tantos...) estarem longe da biblioteca... Pelo cheiro (como?), ELE os identificava e dizia a prateleira correta e a ordem alfabética. Muitas risadas, sim (minha avó filósofa diria: “Muito riso, pouco siso.”), mas não trocaram confidências pessoais. Possível segundo emprego. “Antes de casar, dois anos como secretária de uma advogada no Rio de Janeiro...” ELE percebeu voz ligeiramente trêmula. Deu um telefonema no aparelho fixo. Fim de semana gratuito para o marido e ELA em Campos do Jordão, descansasse muito na segunda-feira, mas comparecesse pontualmente para trabalhar na terça, às 8 horas. “E não me agradeça porque estou plantando uma árvore em terra fértil.” (Preferi nem tentar entender.) Aprovada no teste: única que não perguntara sobre a perda de visão nem pedira conselhos íntimos. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2017
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 27 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

O QUE VOCÊ ACHOU DESTE TRABALHO?

EXCEPCIONAL    MUITO BOM    REGULAR    FRACO    MUITO FRACO    
SUA AVALIAÇÃO É SECRETA E AJUDA A ELEGER OS MELHORES TRABALHOS

Comentários dos leitores

Forno, fogão, vassoura, marido bobo-tradicional-ciumento. Amor não acaba fácil Ele não valorizou apaixonadamente a data do o niver dela, mas já foi reabilitado. Imagino festa que o reabilite em Campos do Jordão... Parabéns!

Postado por lucia maria em 15-07-2017

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.


> Ler outro conto <   < Ler poemas > < Ler crônicas >


< Ler outro trabalho de ATHINGANOI >




AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.