Página inicial do portal Autores & Leitores
Quem  |  Autores  |  Leitores  |  Associados  |  Mural  |  Dúvidas  |  Contato  |     PUBLICAR    |
Entrar | Registrar
 Esqueci minha senha
Anúncio ebook Vigilante

Área dos LEITORES

Colunistas

Autores Consagrados

Quadrinhos

Bibiotecas Virtuais

Livros

Novos autores

Downloads

Lançamentos

Ofertas

Informações

Autores & Leitores  >  Leitores >  Novos

Apresentação de trabalho publicado

Caro leitor,

Sinta-se à vontade para ler este trabalho e deixar seus comentários.

Bons Textos!




< Visite a Página Pessoal de ATHINGANOI >


ROUBOS ANTERIORES



					    
Estória um tanto antiga, mais de quinze anos. Minha AMIGA foi visitar uma prima e levara de casa um tubo de creme dental, aquele famoso amarelinho (ficou na história: 51% do mercado!), o “K... y...” - distraiu-se, tirou da bolsa apenas a escova, depois recolheu o tubo alheio que usara. ----- As mulheres da casa deram falta do objeto. “Artigo barato... prejuízo mínimo!” Sim, mas não é nada agradável ficar a nenhum assim de repente... Estoque zero. Nenhum é nenhum! O ultimo no estoque, comércio um tantinho longe e a fulana teria que trocar a roupa, não sair à rua com traje desbotado de casa. Dois filhos rapazes, trabalhadores, porém meio “doidinhos”... Início da noite, interrogou-os. Não viram, não pegaram, não sabiam de nada. Acusados de distração e colocarem num bolso qualquer ou levar para casa de amigo ou namorada. Não sabiam mais a roupa usada antes, momento do seqüestro. Cabides do banheiro? Remexeram o cesto de roupa suja... nada! Aí, a “sujeira” foi outra. Irmão acusaram-se mutuamente. Um desviara meio quilo de queijo branco, mãe imaginando ter ficado no balcão do mercado. Outro assumiu ter levado às escondidas o baralho, herança do pai, para jogar (ficou nervoso, errou feio... para jogar “sinuca”, nunca mais trouxe de volta. Lavaram perante a mãe muita ‘roupa suja’ e parecia confessionário de primeira comunhão em que menino é interrogado pelo padre sobre sexo solitário (pecar contra a castidade?!) ou em boa companhia e abre mentalmente o livro das estorinhas... (EU não falei nada, dedos cruzados nas costas: “Nunca fiz estas coisas, ‘doutor padre. Sou um cristãozinho inocentérrimo!” - onde aprendera esta palavra?) ----- No dia seguinte, indignados com a acusação, saíram para o trabalho sem o café da manhã. “O do pé-sujo é muito melhor!” (Ou a atendente lourinha?) Raiva idiota! ----- A tia telefonou para perguntar à visitante se por acaso levara o creme dental. Ora, assim de imediato era impossível responder. Abriu a bolsa e de fato estavam lá... dois tubos. Detalhe. Seu próprio tubo apresentava um defeitinho, estranho amassado na base - o tudo que usou era ‘assim’, igualzinho, achou que era o dela, trouxe para casa. Concluiu-se, ao telefone, defeitinho reproduzidos e distribuídos aos milhares... ao longo do Brasilzão, nada absurdo. Pode acontecer! E certamente aconteceu. Sobrou para a avó, a caminho da feira- livre, escolher os produtos alimentícios, preocupação de nenhuma banana... amarela. F I M
Copyright ATHINGANOI © 2017
Todos os direitos reservados.
Este trabalho já foi visitado 13 vezes.

ENVIE este trabalho para um(a) amigo(a). ESCREVA para ATHINGANOI.

Comentários dos leitores

Esse tipo de roupa suja nunca fica suja eternamente. (Conheço o incluso menininho "super inocente".) Parabéns!

Postado por lucia maria em 07-10-2017

COMENTE ESTE TRABALHO, DIZENDO QUAL FOI A IMPRESSÃO QUE ELE LHE CAUSOU.





AJUDE-NOS a manter o bom nível deste portal!

Se você achou que este texto é ofensivo, imoral ou que fere
a nossa POLÍTICA DE USO, por favor, AVISE-NOS!




Autores & Leitores
  • Copyright A&L © 2005-2013
  • Todos os direitos reservados.